Hoje nas notícias: Geringonça, PSD e Fisco

  • ECO
  • 8 Outubro 2019

António Costa já está a contactar os partidos para reunir na quarta-feira, Luís Montenegro prepara candidatura para a liderança do PSD, e o fisco quer cobrar mais impostos aos pescadores.

As eleições legislativas deste domingo continuam a dominar as notícias, com o PS a preparar as negociações já para quarta-feira, o PSD a começar a corrida à liderança. O Fisco quer cobrar mais impostos aos pescadores e Vasco Pereira Coutinho só receberá 30 mil euros dos 148 milhões que pedia de indemnização da Parpública.

António Costa já começou a tentar montar Geringonça 2.0

António Costa já contactou os partidos à esquerda, e o PAN, para agendar marcações para esta quarta-feira, mas contactos formais só depois de ser indigitado primeiro-ministro, o que deverá acontecer já hoje, notícia o Observador. As reuniões com o Bloco de Esquerda, PCP/PEV, PAN e LIVRE serão realizadas nas sedes dos respetivos partidos e os socialistas já definiram a equipa negociadora: António Costa, Carlos César, Ana Catarina Mendes e Duarte Cordeiro. De fora fica Pedro Nuno Santos, o ministro das Infraestruturas e que foi um dos principais negociadores da Geringonça em 2015. Leia a notícia completa no Observador (acesso livre).

Pereira Coutinho pedia indemnização de 148 milhões, Parpública só tem que pagar 30 mil euros

Depois de vários anos de litígio judicial, a Parpública foi condenada a pagar uma indemnização de 30 mil euros ao empresário Vasco Pereira Coutinho devido à cessação de contrato de um negócio com terrenos da Falagueira que a Cottees servia de promotor imobiliário. Vasco Pereira Coutinho pedia uma indemnização de 148 milhões de euros e, inicialmente, o tribunal arbitral deu-lhe razão e condenou a Parpública a pagar cerca de 2 milhões de euros de indemnização, valor entretanto reduzido após recurso. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso condicionado)

Fisco quer cobrar mais impostos aos pescadores

A Autoridade Tributária quer cobrar mais impostos aos pescadores pelo peixe vendido ao abrigo de contratos de abastecimento, criados para garantir que um rendimento mais estável aos pescadores e assim evitar grandes flutuações no preço nos leilões, notícia o Público. O Fisco entende que o Estado está a perder receitas fiscais com estes contratos porque o peixe é vendido abaixo do preço máximo obtido em leilão, mas os contratos foram criados precisamente para garantir que o preço não cai abaixo dos 80% da média do ano. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Mais de 10 mil desempregados começaram negócio com subsídio de desemprego

Entre 2011 e 2014, os anos do resgate à economia, mais de 10.600 pessoas que se encontravam no desemprego pediram para receber o montante único do subsídio de desemprego para começar o seu próprio negócio, com o maior número de projetos aprovados a acontecer precisamente em 2011, ano em que a troika chegou a Portugal. Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso condicionado)

Luís Montenegro recolhe apoios para candidatura ao PSD

Após a derrota do PSD nas eleições de domingo, a contestação a Rui Rio aumentou e Luís Montenegro voltou à cena. De acordo com o Público, o antigo líder parlamentar do PSD na altura da liderança de Pedro Passos Coelho já estará a recolher apoios para avançar para a liderança do partido, depois de em janeiro ter desafiado Rui Rio para marcar eleições diretas. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Geringonça, PSD e Fisco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião