Juro da dívida abaixo de Espanha, mas bolsa de Lisboa não acompanha o sentimento positivo

Juros das obrigações caem e estão abaixo dos de Espanha. O spread face à Alemanha aproxima-se de mínimos históricos. Mas na bolsa, o sentimento é o contrário: há perdas nas ações portuguesas.

A dívida pública portuguesa está cada vez mais apetecível para os investidores. O juro das obrigações do Tesouro (OT) a dez anos continuam a cair, aproximando-se cada vez mais do benchmark alemão, demonstrando a confiança dos mercados no país. Em sentido contrário, a bolsa de Lisboa não resiste às investidas de Donald Trump na guerra comercial.

Ainda sem Governo formado, a reação dos mercados às eleições legislativas deste domingo está a ser positiva. A yield da dívida a dez anos mantém, esta terça-feira, a tendência de queda da última sessão e negoceia nos 0,113%, em mercado secundário.

Depois de esta taxa ter estado duas vezes de forma temporária abaixo da pedida pelos investidores a Espanha, tem sido esta a tendência ao longo de toda a sessão. O juro da dívida espanhola a dez anos negoceia nos 0,13%.

Já em comparação com o benchmark europeu, as Bunds alemãs com o mesmo prazo, a diferença é cada vez menor. O spread que sinaliza o risco do país situa-se em apenas 69 pontos base, em mínimos de três meses e a escassos pontos dos mínimos históricos tocados em julho (65 pontos base).

Juro das OT a dez anos em mínimos de um mês

Fonte: Reuters

O otimismo face à dívida portuguesa segue-se à revisão em alta do rating da República pela DBRS e da vitória do PS nas eleições legislativas de domingo mesmo que sem maioria absoluta. “Qualquer um dos dois cenários mais prováveis (acordo do PS com BE ou governo minoritário) acabará por significar uma continuidade da estabilidade económica dos últimos anos, marcados por um crescimento económico robusto e pelo cumprimento das metas de Bruxelas (défice de 0,4% em 2018), não obstante a gradual reversão das medidas da austeridade”, avalia o Bankinter.

Mas se a dívida mostra confiança, o mesmo não acontece com a bolsa. Após a última sessão e o início desta terem sido de ganhos, o índice de referência nacional PSI-20 não resistiu à pressão internacional. Menos de três depois da abertura, segue a cair 0,6%, em linha com as perdas nas principais praças europeias.

Washington anunciou que vai restringir os negócios com várias empresas chinesas que desenvolvem sistemas de reconhecimento facial e outras tecnologias de inteligência artificial, e que estão alegadamente associadas à repressão contra grupos minoritários muçulmanos na China. A nova investida de Donald Trump está a penalizar as bolsas e Lisboa não escapa.

Bolsa de Lisboa em terreno negativo

A Pharol afunda 2,80% para 0,1040 euros por ação, mas são os setores do papel, banca e energia que mais penalizam o índice. A Altri cai 2,41% para 5,26 euros, a Semapa perde 0,35% e a Navigator cede 0,13%.

O BCP — que normalmente beneficia da quebra nos juros da dívida — perde mais de 2% depois de o governador do Banco de Portugal ter feito alertas sobre a pressão dos baixos juros do Banco Central Europeu nas margens financeiras da banca.

A Galp, que comunicou esta manhã ao mercado um aumento da produção de petróleo em 21% no terceiro trimestre do ano acompanhado de uma desaceleração na refinação e distribuição, bem como do gás, perde 1,43% para 13,47 euros. Já a EDP e a EDP Renováveis recuam 0,96% e 0,20%, respetivamente.

A contrariar a tendência, a Mota-Engil avança 0,7% graças a um novo contrato para recolher resíduos no Brasil. Igualmente, a REN sobe 0,57% após o upgrade na avaliação feita pela RBC. A Jerónimo Martins, que foi alvo de uma revisão em alta do preço-alvo das ações pelo Barclays, ganha 0,43%.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Juro da dívida abaixo de Espanha, mas bolsa de Lisboa não acompanha o sentimento positivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião