Bioeconomia azul leva 15 startups a concurso na segunda edição do Blue Bio Value. Cinco são portuguesas

O Blue Bio Value permite o desenvolvimento de projetos ligados à bioeconomia azul. Dos nove países a concurso, Portugal é o país mais bem representado com cinco startups na competição.

Já arrancou a segunda edição do Blue Bio Value, um programa de aceleração de empresas ligadas à bioeconomia azul, que junta projetos de nove países. Entre as 110 candidaturas de vários países, apenas quinze foram selecionadas. Portugal é o país mais bem representado, com cinco startups a concurso.

Projetos de Portugal, Espanha, Dinamarca, Suíça, Itália, Canadá, Brasil, Reino Unido e Índia estão desde esta terça-feira em competição e as empresas que melhor se destacarem “poderão receber um prémio de 45 mil euros, para o desenvolvimento dos seus projetos”, refere o comunicado conjunto da Fundação Oceano Azul e a Fundação Calouste Gulbenkian.

Durante as próximas cinco semanas, as empresas selecionadas irão validar a tecnologia desenvolvida, adquirir competências de gestão e criar bases de novos negócios sustentável e economicamente viáveis e estabelecer contactos com mentores, nacionais e internacionais, bem como, com parceiros especialistas de várias indústrias e potenciais clientes e investidores.

Entre os projetos portugueses a concurso está a Bluman, que, de acordo com a Blue Bio Value, se foca nos biopolímeros e aplicações médicas desenvolvidas a partir de organismos marinhos, por forma a desenvolver soluções para instituições que trabalhem em biomedicina, farmácia e cosmética. Por outro lado, a BodyOcean desenvolve produtos para cuidar da pele, a partir de recursos sustentáveis, como algas marinhas provenientes dos Açores.

Já a Inclita Seaweed Solutions é uma startup biotecnológica, ainda em fase inicial, que se dedica ao desenvolvimento sustentável, produção, valorização e comercialização de extratos de algas funcionais. Em contrapartida, a Sea4Us é uma biofarmacêutica focada na descoberta e desenvolvimento de novos medicamentos feitos a partir de compostos marinhos. Por outro lado, a Vieaqua é uma startup de aquacultura que está a desenvolver o primeiro incubador de vieiras e cultura offshore, descreve a organização.

Além de concorrerem pelo prémio, ao longo do projeto serão ainda atribuídas ajudas de custo às empresas até ao montante de 7.500 euros. Esta segunda edição atraiu mais do dobro das candidaturas do que a edição anterior.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bioeconomia azul leva 15 startups a concurso na segunda edição do Blue Bio Value. Cinco são portuguesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião