Concurso europeu está à procura das melhores startups de tecnologia. Candidaturas abertas até 21 de outubro

Inscrições abertas até 21 de outubro. Os projetos que se destacarem terão oportunidade de apresentar o seu pitch a 6 de novembro, na Web Summit, num típico autocarro britânico de dois andares.

O Global Entrepreneur Programme (GEP), programa de mentoria e aceleração promovido pelo departamento de Comércio Internacional do Reino Unido, acaba de abrir candidaturas para startups que estejam presente em mais uma edição do Web Summit, considerado o maior evento de tecnologia e empreendedorismo do mundo.

As startups vencedoras vão receber apoio do Governo britânico através da disponibilização das redes de contactos dos mentores que integram este programa, de forma a acelerar os seus negócios, a contactar especialistas na indústria e a captar investimento no mercado de capital de risco do Reino Unido.

As candidaturas podem ser feitas até 21 de outubro através deste link. Os projetos que se destaquem nas candidaturas terão a oportunidade de apresentar o seu pitch a 6 de novembro, num típico autocarro britânico de dois andares, em Lisboa. O painel será composto por mentores do programa, incluindo Shalini Khemka, CEO da E2Exchange, uma associação de empreendedorismo fundada com o apoio de Sir Richard Branson.

“Trata-se assim de uma oportunidade única para todos os empreendedores presentes no Web Summit, mas em especial para as empresas portuguesas, que terão acesso a este palco privilegiado no seu próprio país”, explica João Sebastião, diretor do departamento de Comércio Internacional na embaixada do Reino Unido em Lisboa.

“O GEP tem sido um sucesso ao longo destes nove anos de existência e isso deve-se ao talento que temos encontrado em todo o mundo e à extraordinária competência dos mentores do programa. Até agora fomos identificando empresas para integrarem este programa à medida que as fomos conhecendo, mas quisemos aproveitar o maior evento de tecnologia na Europa que decorre em Portugal, um dos ecossistemas mais vibrantes atualmente, para dar a conhecer o programa a mais empreendedores e as vantagens do Reino Unido como plataforma para uma estratégia de internacionalização de sucesso”, destaca João Sebastião, em comunicado.

O GEP apoia as empresas mais inovadoras de base tecnológica no seu crescimento e internacionalização, estabelecendo-se naquele que é o mercado líder na atração de investimento estrangeiro na Europa. Desde 2010 centenas de empresas a captar mais de mil milhões de euros de investimento,

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concurso europeu está à procura das melhores startups de tecnologia. Candidaturas abertas até 21 de outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião