App Start Up. Concurso apoia apps criadas por jovens dos 10 aos 18 anos

Vinte equipas formadas por jovens dos 10 aos 18 anos vão concorrer, esta quarta-feira, pela possibilidade de terem as suas apps financiadas pela DNS.pt e desenvolvidas profissionalmente.

Duas dezenas de equipas formadas por alunos dos 10 aos 18 anos vão defrontar-se, esta quarta-feira, na Futurália, pela oportunidade de terem as suas aplicações financiadas pela DNS.pt e desenvolvidas profissionalmente. Nesta primeira edição do concurso App Start Up, serão os participantes do Apps for Good (programa educativo tecnológico que quer fazer emergir uma nova geração de jovens empreendedores) a entrar na corrida.

“Vamos realizar a primeira edição do App Start Up na Futurália com o objetivo de criar condições para que os alunos que já participaram nas três últimas edições do programa, continuem e consolidem o excelente trabalho que tem desenvolvido e que consigam desenvolver profissionalmente a sua aplicação”, sublinha, em comunicado, João Baracho, diretor executivo do CDI Portugal.

Durante a manhã desta quarta-feira, os alunos em questão receberão mentoria em processos de design, implementação e publicação de aplicações por uma equipa de formadores do IADE. Depois, já à tarde, as equipas farão pitch das suas ideias perante um júri composto por Luísa Gueifão da DNS.pt, Ricardo Marvão da Beta-i, Rodrigo Barona da Thompson, Ana Gonçalves Pereira da APDC, Rodrigo Costa da Monday e João Paulino da Bliss.

A última fase será uma conversa em torno do tema “Estamos a educar para o futuro?”, que contará com a presença de José Vítor Pedroso (da Direção-Geral da Educação), Filipe Almeida (da Portugal Inovação Social), Luísa Gueifão (da DNS.pt), Rogério Carapuça (da APDC), Ricardo Marvão (da Beta-i) e Stephan Morais (da Indico Capital Partners).

O App Start Up tem como objetivo ligar as soluções desenvolvidas pelos jovens aos mercados das Mobile Apps, concedendo-lhes mentoria, formação e apoios financeiros. O concurso resulta da parceria entre a DNS.pt, a APDC, o IADE e a Beta-i com o Apps for Good.

Lançado há cinco anos pelo brasileiro CDI, o Apps for Good começou como projeto educativo no Reino Unido. Em Portugal, a Direção-Geral da Educação convidou a empresa a fazer um piloto em 2014 com 20 escolas. No presente ano letivo, o programa já abrange 180 escolas nacionais (3266 alunos e 400 professores), tendo formado parcerias com a Microsoft, Fundação Calouste Gulbenkian, IBM, REN, SRS Advogados, entre outros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

App Start Up. Concurso apoia apps criadas por jovens dos 10 aos 18 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião