BRANDS' PESSOAS É o trabalho remoto uma solução ou um problema?

  • BRANDS' PESSOAS
  • 14 Outubro 2019

Rui Correia, EY Senior Manager, questiona sobre o trabalho remoto como uma opção de melhor conciliar a vida pessoal com a profissional.

Será o trabalho remoto a solução definitiva para lidar com escritórios sobrelotados, horas de deslocação de e para o trabalho e dificuldades em conciliar a vida pessoal com a profissional?

Se à primeira vista o Trabalho Remoto pode parecer uma solução simples, a verdade é que apresenta desafios para os indivíduos e para a organização.
Desafios estes que, infelizmente, são utilizados com frequência como desculpa para não adotar esta solução de trabalho, quando na verdade podem ser geridos e ultrapassados.

Mas comecemos pelas vantagens: o que faz do trabalho remoto uma proposta apetecível?

Para os colaboradores é uma proposta simples e bastante vantajosa: eliminam-se as horas em transportes ou no trânsito de e para o escritório, flexibiliza os horários e o equilíbrio entre vida profissional e familiar e evita as distrações do escritório e as conversas de corredor.

Para as organizações, o trabalho remoto é também atrativo a diversos níveis.

Em termos de recrutamento, alarga as fronteiras do talento, ou seja, deixamos de ter que recrutar só quem reside a distâncias que permitem deslocação diária para o escritório. Num momento em que a luta pelo talento é feroz, esta é uma oportunidade que não se deve ignorar.

Por outro lado, adaptar um regime de flexwork, em que os colaboradores podem trabalhar parte da semana remotamente, cria uma liberdade que vai permitir gerir o espaço de escritório – e respetivos custos – de forma distinta, dando à organização uma maior flexibilidade e redução de custos.

No entanto, o trabalho remoto não são só “unicórnios e arco-íris”. Há um conjunto de desafios e pré-requisitos para funcionar.

1. Para as organizações, a adoção de trabalho remoto tem desafios Culturais e Tecnológicos:

  • Tecnológicos

Ter colaboradores a trabalhar de vários pontos geográficos, requer as condições técnicas para que isso não coloque em risco a capacidade de acesso às ferramentas de trabalho; é imperioso garantir que todos os colaboradores têm acesso à internet e que esta modalidade de trabalho não compromete a segurança informática nem o acesso a informação necessária, assegurando a confidencialidade. Para além disto, a colaboração entre equipas com membros dispersos geograficamente requer a disponibilidade de ferramentas colaborativas que facilitem reuniões e partilha de trabalho.

  • Culturais

A mudança para trabalho remoto implica mudanças no paradigma tradicional de liderança e controlo de equipas. Como podem os líderes assegurar que as pessoas não procrastinam em vez de trabalhar? Como assegurar a correta distribuição de prioridades, validar o decorrer do trabalho, a sua conclusão, a sua qualidade?

Não são problemas inultrapassáveis, mas requerem uma abordagem diferente. A necessidade de objetivos quantitativos ou qualitativos diários ou semanais é importante, tal como é fundamental que se estabeleçam frequentes reuniões -online- de coordenação e alinhamento de tarefas. No fim do dia, colaboradores responsáveis vão querer que o trabalho remoto reflita a mesma qualidade que o realizado in loco e percebem que a sua avaliação de desempenho não é suspensa quando não estão no escritório.

Um estudo da Organização Internacional do Trabalho da ONU revela até que os trabalhadores são geralmente mais produtivos fora do ambiente do escritório, mas também vulneráveis a trabalhar horas a mais e a um ritmo de trabalho mais stressante.

2. Isto leva-nos às desvantagens do trabalho remoto para as pessoas.

Quem trabalha a partir de casa, de forma regular, vai ter o desafio de manter a motivação, evitar a procrastinação, ser capaz de separar o trabalho da vida pessoal e não ficar até tarde frente ao computador, ser capaz de trabalhar em equipa e colaborar utilizando apenas ferramentas informáticas.

Estes são desafios ultrapassáveis; um espaço específico para trabalho e um conjunto de regras firmes, incluindo horas de trabalho, são chave para obter bons resultados, aproveitando os benefícios de forma plena!

Se a sua organização pensa na possibilidade de trabalho remoto, mas tem ainda dúvidas, ou se o quer fazer, mas ainda não sabe como, não deixe de o fazer por receio das dificuldades. Todos os desafios nesta área são solucionáveis com o planeamento e o apoio certo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É o trabalho remoto uma solução ou um problema?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião