Estado injetou 1.800 milhões em 17 aumentos de capital na CP nos últimos três anos

  • ECO
  • 16 Outubro 2019

Nem todos os reforços de capital na CP foram em dinheiro e boa parte das operações serviu para pagar dívidas da transportadora ferroviária a outras empresas e ao próprio Estado.

O Estado já injetou 1.800 milhões de euros na CP através de 17 aumentos de capital realizados ao longo dos últimos três anos. Nem todos os reforços de capital foram em dinheiro e uma boa parte destas operações serviu para que a transportadora ferroviária pudesse pagar dívidas a empresas privadas e ao próprio Estado.

O Observador (acesso livre) fez o levantamento do número de aumentos de capital realizados pelo Estado desde 2016, isto depois do último reforço de capital de 500 milhões de euros anunciado esta semana e que servirá para a CP proceder ao reembolso de obrigações a vencer este mês.

Segundo o jornal digital, apesar dos sucessivos aumentos para reforçar o capital, a operadora ferroviária continua em falência técnica, apresentando capitais próprios negativos de mais de dois mil milhões de euros. Por outro lado, também não tem sido capaz de gerar recursos que permitem pagar os custos, sobretudo os encargos financeiros (juros e capital) com a dívida. Ainda assim, nota o jornal, a dívida remunerada da empresa caiu cerca de 40% nos últimos quatro anos, com a CP a reduzir bastante o endividamento junto de entidades fora do Estado, o que permitirá baixar a fatura com juros da dívida.

Dos cerca de 1.800 milhões injetados desde 2016, apenas metade do montante correspondeu a reforços em numerário, isto é, em entradas de dinheiro por parte do acionista. Outros 900 milhões de euros corresponderam a reforços feitos através da conversão de créditos em capital.

Entre o final de 2015 e 2018, a transportadora ferroviária reduziu a dívida financeira de 3,5 mil milhões de euros para cerca de dois mil milhões de euros.

O Observador explica ainda que parte da elevada dívida da empresa vem do tempo em que a rede ferroviária e os investimentos associados ainda estavam na CP. Outra parte tem a ver com investimentos que a CP fez já depois de ter sido criada a Refer — Rede Ferroviária Nacional, entretanto integrada na Infraestruturas de Portugal — por exemplo, na compra e reabilitação de comboios. Neste caso, a CP realizou os investimentos sem ter sido dotada pelo acionista para esse efeito, recorrendo a capital alheio. A dívida da CP resulta ainda da necessidade de financiar sucessivos défices operacionais e prejuízos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado injetou 1.800 milhões em 17 aumentos de capital na CP nos últimos três anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião