Estado injeta mais 518 milhões de euros na CP para pagar empréstimo obrigacionista

O Estado vai injetar mais 518 milhões de euros na empresa de comboios para pagar um empréstimo obrigacionista. É o quarto aumento de capital realizado só este ano.

O Estado vai injetar 518 milhões de euros na CP – Comboios de Portugal, informou a empresa liderada por Nuno Freitas esta segunda-feira, num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Este valor permitirá à CP amortizar um empréstimo obrigacionista contraído em 2009 e que atinge maturidade nos próximos dias.

“A CP informa que o Estado português determinou a entrada de capital em numerário, no valor global de 518.616.538 euros, para a cobertura de resultados transitados negativos”, refere o documento.

Na semana passado, o Estado aprovou os documentos de prestação de contas da transportadora ferroviária, incluindo o relatório de gestão e o relatório do governo societário, referentes a 2015. Ao mesmo tempo, o Estado determinou que o prejuízo de 278.426.115 euros, apurado no exercício de 2015, fosse transferido para a conta de resultados transitados.

Os prejuízos avultados acumulados nos últimos anos deram lugar, mais recentemente, a resultados negativos bem menos expressivos. Depois de perder 105 milhões de euros em 2018, nos primeiros seis meses deste ano a CP registou um prejuízo de 49 milhões. A redução da fatura com a dívida ajuda a explicar esta melhoria.

Com esta nova injeção de capital, o Estado vai ajudar a CP a reduzir ainda mais o endividamento. Fonte oficial da empresa confirmou que esta injeção de capital está relacionada com o pagamento de uma emissão obrigacionista que vence nos próximos dias, no valor de cerca de 500 milhões de euros.

Estes 518 milhões de euros a injetar pelo Estado vão configurar o quarto aumento de capital realizado só este ano. Até este “bolo” já tinham sido injetados, em “fatias”, cerca de 78 milhões de euros. O valor total injetado pelo erário público na CP este ano é, assim, o mais elevado desde 2015, ano em que foram realizados aumentos de capital no valor global de 687 milhões.

(Notícia atualizada esta terça-feira, 15 de outubro, às 11h24, com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado injeta mais 518 milhões de euros na CP para pagar empréstimo obrigacionista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião