Robotização e inteligência artificial: industriais “preparados” para o futuro

O futuro passa pela indústria 4.0. Na conferência Fábrica 2030, os oradores consideram que o setor já está a preparar-se e que a automatização pode ser uma oportunidade para Portugal.

Robotização, machine learning, inteligência artificial. Este é o futuro e os empresários portugueses já estão a caminhar nesse sentido. Graças à indústria 4.0, os setores estão a passar por uma fase de transformação a grande velocidade. Em Portugal, um quinto da população trabalha na indústria e, por isso, existe uma necessidade cada vez maior de otimizar os processos e adotar novas técnicas industriais que ajudem a fomentar o crescimento das empresas.

“Saímos de manufaturas para a customização do produto e temos uma oportunidade fantástica para reforçar o perfil da nossa economia através de uma indústria moderna onde impera o conhecimento, a qualificação e a robotização“, destaca José Manuel Fernandes, CEO da Frezite, na conferência Fábrica 2030, organizada, esta quinta-feira no Porto, pelo ECO em parceria com a Fundação de Serralves.

“A fábrica do passado era 95% manufatureira, hoje é 30%”, relembra o CEO da Frezite.

O caminho para a indústria 4.0 está a decorrer a uma velocidade de cruzeiro e é, para todos os oradores, uma grande oportunidade para Portugal posicionar-se no mercado. “Portugal tem potencial para fazer muito mais. Temos skills indústrias fantásticas que podem originar polos de grande desenvolvimentos sobretudo na indústria”, refere o CEO da Frezite, relembrando que “vivemos atualmente um ambiente de mudança empresarial a grande velocidade“.

“A indústria 4.0 é a oportunidade que temos para acrescentar valor e o país tem competências para isso”, destaca Ângelo Ramalho, CEO da Efacec.

Conferência Fábrica 2030 que comemora o 3.º aniversário do ECO e o 30.º de Serralves.Bruno Barbosa/ECO

Para além de ser um passo com olhos postos no futuro, os empresários consideram que a otimização das tarefas e a automação vão contribuir para a eliminação de erros. “A robótica vai eliminar erros que o cansaço humano pode ter em relação a certo tipo de tarefas”, destaca o CEO da Frezite. O caminho já começa a ser traçado e, “hoje em dia, já se consegue otimizar algumas tarefas com eficiência. Vamos continuar o caminho que estamos a seguir”, destaca João Serrenho CEO da CIN.

A inovação é um eixo extremamente importante, leva a diversificação de novos produtos. Tem sido por essa via que temos crescido bastante nos últimos anos.

Rui Miguel Nabeiro

CEO do Delta Cafés

Segundo a experiência do CEO da Delta Cafés, Rui Miguel Nabeiro, “a inovação leva a diversificação de novos produtos e é este tipo de inovação que nos permite ter uma empresa mais sólida”. O industrial revela que um dos objetivos é “chegar a outros mercados com produtos de valor acrescentado”.

Na ótica do administrador da EDP, António Martins da Costa, “principalmente no setor da energia o caminho da inovação encontra enorme desafios“. O industrial considera que, nos dias de hoje, existe cada vez mais necessidade de “descarbonizar”, “digitalizar” e “descentralizar os processos” e sublinha que cada vez mais os consumidores e as marcas têm preocupações com o ambiente e que, “do lado da energia, os dois grandes eixos são a eletrificação do consumo e a descarbonização da produção”.

No mesmo debate, César Araújo, CEO da Calvelex, relembra que a carga fiscal, o peso da Segurança Social e os elevados custos da eletricidade são alguns dos desafios que os empresários enfrentam. João Serrenho, CEO da CIN, disse que o “Estado não sabe gerir empresas” e que “há 40 anos que as indústrias andam a recuperar”, dando o exemplo de que muitas empresas familiares estão descapitalizadas. “Devia existir uma estrutura financeira com incentivos fiscais que ajudasse as empresas a crescer”, refere.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Robotização e inteligência artificial: industriais “preparados” para o futuro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião