Portugal atrai cada vez mais investidores à procura de imóveis por construir

  • ECO
  • 18 Outubro 2019

Dinamismo do mercado e sofisticação dos investidores estão aumentar a procura pelos chamados "bens futuros" em Portugal.

Vendem-se cada vez mais imóveis ainda por construir, uma tendência que tem ganhado força à boleia da escalada dos preços do imobiliário e da forte procura que Portugal tem registado nos últimos anos.

Segundo o Jornal de Negócios (acesso pago), embora não existam dados oficiais relativos ao número de contratos promessa de compra e venda dos chamados “bens futuros”, tendência é reconhecida no setor. “Este modelo de negócio foi razoavelmente frequente entre 2000 e 2008, altura em que a crise financeira mundial provocou uma quebra brusca deste tipo de operação. A melhoria do risco de Portugal a partir de 2015 e os níveis significativos de liquidez que os investidores registam hoje trouxeram este modelo de novo para a agenda”, refere Paulo Sarmento, diretor de investimento da Cushman & Wakefield, ao jornal.

Tratam-se não só de projetos em planta que estão a ser vendidos em cada vez maior número, mas também já há investidores que procuram imóveis que ainda não foram desenhados, projetos onde se conhece apenas a localização, o promotor e o arquiteto.

De acordo com o jornal, o que tem acontecido é que, num contexto de forte dinamismo do mercado imobiliário — segundo o INE, foram vendidos, em 2018, 242 mil imóveis por mais de 26 mil milhões — Portugal tem atraído investidores internacionais cada vez mais sofisticados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal atrai cada vez mais investidores à procura de imóveis por construir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião