Certificados captam valor mais baixo desde novembro

O investimento nos produtos de poupança do Estado desacelerou em setembro. A aposta em certificados de aforro e do Tesouro engordaram 16 milhões de euros, o montante mais baixo desde novembro.

Os produtos de poupança do Estado continuam a perder brilho entre os aforradores portugueses. Em setembro, o investimento em certificados de aforro e do Tesouro engordou 16 milhões de euros, o montante mais baixo dos últimos dez meses. A maior parte do dinheiro voltou a ter como destino os certificados do Tesouro, mas a progressão deste produto é cada vez mais curta.

De acordo com o último boletim estatístico do Banco de Portugal, o investimento em certificados do Tesouro cresceu 11 milhões de euros, em setembro, para atingir um máximo histórico de 16.959 milhões de euros.

Apesar disso, o valor amealhado foi o mais baixo desde novembro do ano passado. Naquele mês, o investimento neste produto de poupança do Estado até encolheu perante o vencimento das primeiras emissões de Certificados do Tesouro de Poupança Mais (CTPM), com maturidade a cinco anos.

Em novembro de 2018 tinha-se mesmo verificado a primeira saída líquida em mais de cinco anos do investimento em certificados do Tesouro.

Investimento em certificados desacelera

Fonte: Banco de Portugal

Já as aplicações em certificados de Aforro aumentaram cinco milhões de euros, entre agosto e setembro, para ascenderem a um total de 11.993 milhões de euros, até máximos de setembro de 2017. De salientar que este produto tem vindo a conquistar terreno após dois anos seguidos de resgates líquidos. Contudo, o investimento captado em setembro último foi o mais baixo também desde o mês de novembro.

Apesar de setembro ter sido um mês “pobre” em termos de captação de investimento, naquele mês o dinheiro dos portugueses depositado à guarda dos produtos de poupança do Estado atingiu um valor recorde. No final do mês passado, o investimento em certificados totalizava 28.952 milhões de euros.

No acumulado do ano, o investimento em certificados engordou 662 milhões de euros, aproximando-se um pouco mais da meta de mi milhões de euros da captação de investimento prevista pelo Tesouro para este ano.

(Notícia em atualizada às 11h20 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Certificados captam valor mais baixo desde novembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião