Governo britânico quer aprovar legislação para Brexit em três dias

Os deputados britânicos vão discutir a legislação para a saída do Reino Unido da União Europeia, em sessões parlamentares contra-relógio.

Apesar da maratona de negociações entre o Reino Unido e a União Europeia na semana passada, o acordo alcançado não foi ainda votado no Parlamento britânico. A dez dias da data prevista para a saída, a incerteza continua a rodear o desfecho do Brexit, estando planeada para esta semana uma corrida contra o tempo para os deputados britânicos aprovarem a legislação.

Boris Johnson queria levar o acordo a votos no sábado passado, mas uma emenda aprovada pelos deputados, que suspende a aprovação desses termos até que toda a legislação necessária para a sua aplicação esteja preparada, travou o plano. O primeiro-ministro britânico tentou uma votação novamente esta segunda-feira, mas viu o pedido recusado pelo speaker.

John Bercow recusou uma nova votação devido a uma regra que dita que não se pode apresentar a mesma moção duas vezes. Perante esta decisão, o Executivo apresentou a legislação do Acordo de Saída, que terá a primeira votação nesta terça-feira, no que é chamada a “segunda leitura” do projeto de lei.

Este será, assim, o primeiro teste ao acordo de Boris Johnson. O plano é que a discussão se prolongue por três dias, concluindo a aprovação na quinta-feira, segundo anunciou Jacob Rees-Mogg, no Parlamento. Na sexta-feira a Câmara dos Comuns não irá reunir, sendo que o projeto de lei terá depois de passar pela Câmara dos Lordes, o que se poderá também prolongar por mais do que um dia.

Os deputados queixam-se de falta de tempo para o escrutínio do documento apresentado, tal como já o fizeram para a votação do acordo no sábado. Tendo isto em conta, é esperado que as sessões parlamentares desta semana se prolonguem até horas tardias, de forma a aprovar a legislação.

No entanto, este resultado pode não ser fácil, já que não é ainda garantido que Boris Johnson tenha os números necessários. Para além disso, é esperado que os deputados da oposição, em conjunto com “rebeldes” conservadores, avancem com emendas à legislação, por exemplo sobre questões aduaneiras ou até um segundo referendo.

Preparação para saída sem acordo “intensificada”

Como não foi aprovado um acordo até 19 de outubro, Boris Johnson viu-se obrigado a pedir à UE um adiamento do Brexit por três meses, isto devido a uma lei aprovada em setembro pelos deputados britânicos. O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, já sinalizou que recebeu a carta, mas ainda não foi dada uma resposta oficial.

Tendo em conta este cenário, o conservador Michael Gove informou o Parlamento britânico que tinham sido “intensificados” os planos para uma saída sem acordo. O prazo apertado para a aprovar a legislação coloca a “saída ordenada em causa”, disse, apontando que, se a UE não aprovar uma extensão do prazo do Brexit, este vai acontecer sem acordo a 31 de outubro.

“Vamos agora acelerar os esforços para ajudar empresas e indivíduos a mitigar qualquer deslocamento e disrupção que possa resultar”, reiterou, em declarações aos deputados britânicos. “Centenas de funcionários públicos no Reino Unido terão de ser recolocados”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo britânico quer aprovar legislação para Brexit em três dias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião