Oito anos em oito gráficos. O que mudou com Draghi na liderança do euro?

O italiano está prestes a abandonar o BCE, depois de ter sido a cara de decisões inéditas na instituição. Apesar de as medidas terem tido efeitos positivos, também tiveram consequências negativas.

Novembro de 2011, Mario Draghi chegava à liderança do Banco Central Europeu (BCE). Tornava-se, assim, o terceiro presidente num mandato que termina no final de novembro deste ano. Ao longo destes oito anos, Draghi liderou o euro pela crise financeira que ameaçava atirar países como Portugal para fora da União Monetária e foi a cara de decisões nunca antes tomadas na instituição. A política monetária na Zona Euro não voltará a ser a mesma.

Pressionado pela crise económica e financeira global, o Produto Interno Bruto (PIB) da Zona Euro era uma das fontes de preocupação. Manteve-se persistentemente negativo entre o início de 2012 e o final de 2013, sendo que, Portugal já estava em recessão antes disso. Desde o início do mandato de Draghi no BCE que a riqueza produzida pelo país contraía.

Mas o italiano garantia estar disposto a “fazer tudo o que fosse preciso” para salvar o euro e a região acabaria por passar da recessão a um período de forte expansão impulsionado pela recuperação global e pelos estímulos monetários do BCE para que os Estados se financiassem a baixos custos e investissem mais. Em desaceleração desde o início do ano passado, a Zona Euro continua a crescer e Portugal ainda mais.

Economia da Zona Euro cresce. Portugal converge

Fonte: INE e Eurostat

A recuperação foi acompanhada de um reforço do mercado de trabalho. Há oito anos, a situação era sufocante para os países da Zona Euro, tendo a taxa de desemprego em Portugal chegado ao pico de 17,9%, em janeiro de 2013.

Eram então “essenciais reformas focadas na remoção de rigidez e em impulsionar a flexibilidade salarial”, nas palavras de Draghi, logo na primeira conferência de imprensa que dirigiu. O discurso é, agora, muito diferente. “O crescimento robusto do emprego e aumento do salários continua a sustentar a resiliência da economia da Zona Euro”, diz o italiano.

Desemprego afunda

Fonte: INE e Eurostat

Mas a verdade é que nem a economia nem o mercado de trabalho estão no mandato único do BCE, cujo objetivo é conseguir uma inflação próxima, mas inferior a 2%. E os preços são o calcanhar de Aquiles de Mario Draghi: em oito anos nunca conseguiu cumprir a meta — chegando mesmo a abrir a porta a uma reflexão sobre se esta meta deve existir.

Meta de inflação por cumprir

Fonte: INE e Eurostat

A forma como tentou alcançar a meta de inflação também gerou fortes críticas e oposição. Draghi chegou e distanciou-se logo do antecessor. Jean-Claude Trichet tinha subido as taxas de juros do BCE nesse ano e, logo na primeira reunião que presidiu, Draghi começou a cortá-las para estimular a economia num ciclo de descidas do preço do dinheiro que só viria a terminar dois anos depois. Pela primeira vez na história, a Zona Euro passou a ter taxa 0%. E até juros negativos, nomeadamente na taxa de depósitos.

Taxas de juro em mínimos históricos

A descida dos juros nos depósitos para “terreno” negativo materializa-se na exigência aos bancos que paguem pelo dinheiro que têm em depósitos no BCE. Veio, assim, dar um “incentivo” para que a banca pusesse a circular a liquidez — que o banco central injetou no setor — por toda a economia. E continua a pôr.

Essa liquidez adicional da banca chega às economia do euro através da concessão de crédito pela banca. O efeito não foi imediato. O saldo do crédito nos países do euro começou a recuperar já em 2014, mas em Portugal demorou mais tempo. O crescimento do financiamento mantém-se residual, com o ritmo de amortização de empréstimos passados a continuar a ritmo acelerado.

BCE quer mais crédito. Em Portugal, é um desafio

Fonte: Banco de Portugal

Com o BCE a cortar juros, as taxas de mercado foram caindo mínimos históricos, que foram renovados em setembro, altura em que Mario Draghi cortou ainda mais a taxa cobrada aos bancos para -0,5%. E com a queda das Euribor, a remuneração dos depósitos das famílias e empresas começou a afundar, levando o juro médio para pouco mais de 0,1%, com muitos bancos a não pagarem nada pelas poupanças alheias.

Se a estratégia do BCE, de cobrar aos bancos pela liquidez adicional, tem benefícios para a liquidez no mercado, tem, por outro lado, consequências para os bancos. Com o fraco nível de concessão de crédito, os custos extra com o BCE estrangulam a margem financeira do setor.

Como em Portugal os bancos são impedidos por lei a repassar estes juros negativos para os depositantes, a solução tem sido fazer disparar comissões para tentar ter rentabilidade. Consciente do problema que criou, o BCE anunciou um sistema de escalões para o novo corte na taxa de depósitos, realizado já em vésperas da sua saída.

Depósitos nunca pagaram tão pouco

Fonte: Banco de Portugal

Os juros negativos foram inéditos, mas não foram a única decisão de política monetária que surpreendeu. Em 2014, Draghi anunciava que iria seguir os passos de bancos centrais como a Reserva Federal dos EUA ou o Banco do Japão, cumprindo os pedidos de países que agonizavam com a crise e indo contra as fortes críticas de países como a Alemanha. O BCE iria começar a comprar dívida pública e privada, num programa que insuflou a folha de balanço do BCE até mais de 2,6 biliões de euros.

A compra líquida de ativos tinha acabado no final de 2018, passando para uma fase de reinvestimentos dos juros e dos títulos que atingiam as maturidades. No entanto, a ameaça de uma nova recessão levou o BCE a anunciar, em setembro, que vai relançar as aquisições. Assim, e ao contrário da Fed, a folha de balanço do BCE vai voltar ao aumentar, mesmo sem nunca ter tido oportunidade de diminuir depois da crise.

Balanço do BCE sempre a “engordar”

Fonte: BCE e Fed

Este programa foi um dos grandes “balões de oxigénio” para que os países mais afetados pela crise, como Portugal, Espanha e Itália, conseguissem voltar a financiar-se no mercado. O BCE atua como grande comprador de dívida no mercado, levando os juros pedidos investidores para comprarem e trocarem títulos dos Estados sejam mais baixos — ajudando a reduzir a fatura com o serviço da dívida, o que “patrocina” a queda expressiva dos défices orçamentais.

A yield da dívida portuguesa a dez anos chegou acima de 16% em 2012 e afundou até aos níveis atuais, muito próximos de 0%. A tendência é generalizada aos vários países do euro e o benchmark europeu, as Bunds alemãs têm mesmo yields negativas. Chegaram a estar em “terreno” negativo no prazo a 30 anos.

Países nunca se financiaram com custos tão baixos

Fonte: Reuters

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Oito anos em oito gráficos. O que mudou com Draghi na liderança do euro?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião