Oito anos em oito gráficos. O que mudou com Draghi na liderança do euro?

O italiano está prestes a abandonar o BCE, depois de ter sido a cara de decisões inéditas na instituição. Apesar de as medidas terem tido efeitos positivos, também tiveram consequências negativas.

Novembro de 2011, Mario Draghi chegava à liderança do Banco Central Europeu (BCE). Tornava-se, assim, o terceiro presidente num mandato que termina no final de novembro deste ano. Ao longo destes oito anos, Draghi liderou o euro pela crise financeira que ameaçava atirar países como Portugal para fora da União Monetária e foi a cara de decisões nunca antes tomadas na instituição. A política monetária na Zona Euro não voltará a ser a mesma.

Pressionado pela crise económica e financeira global, o Produto Interno Bruto (PIB) da Zona Euro era uma das fontes de preocupação. Manteve-se persistentemente negativo entre o início de 2012 e o final de 2013, sendo que, Portugal já estava em recessão antes disso. Desde o início do mandato de Draghi no BCE que a riqueza produzida pelo país contraía.

Mas o italiano garantia estar disposto a “fazer tudo o que fosse preciso” para salvar o euro e a região acabaria por passar da recessão a um período de forte expansão impulsionado pela recuperação global e pelos estímulos monetários do BCE para que os Estados se financiassem a baixos custos e investissem mais. Em desaceleração desde o início do ano passado, a Zona Euro continua a crescer e Portugal ainda mais.

Economia da Zona Euro cresce. Portugal converge

Fonte: INE e Eurostat

A recuperação foi acompanhada de um reforço do mercado de trabalho. Há oito anos, a situação era sufocante para os países da Zona Euro, tendo a taxa de desemprego em Portugal chegado ao pico de 17,9%, em janeiro de 2013.

Eram então “essenciais reformas focadas na remoção de rigidez e em impulsionar a flexibilidade salarial”, nas palavras de Draghi, logo na primeira conferência de imprensa que dirigiu. O discurso é, agora, muito diferente. “O crescimento robusto do emprego e aumento do salários continua a sustentar a resiliência da economia da Zona Euro”, diz o italiano.

Desemprego afunda

Fonte: INE e Eurostat

Mas a verdade é que nem a economia nem o mercado de trabalho estão no mandato único do BCE, cujo objetivo é conseguir uma inflação próxima, mas inferior a 2%. E os preços são o calcanhar de Aquiles de Mario Draghi: em oito anos nunca conseguiu cumprir a meta — chegando mesmo a abrir a porta a uma reflexão sobre se esta meta deve existir.

Meta de inflação por cumprir

Fonte: INE e Eurostat

A forma como tentou alcançar a meta de inflação também gerou fortes críticas e oposição. Draghi chegou e distanciou-se logo do antecessor. Jean-Claude Trichet tinha subido as taxas de juros do BCE nesse ano e, logo na primeira reunião que presidiu, Draghi começou a cortá-las para estimular a economia num ciclo de descidas do preço do dinheiro que só viria a terminar dois anos depois. Pela primeira vez na história, a Zona Euro passou a ter taxa 0%. E até juros negativos, nomeadamente na taxa de depósitos.

Taxas de juro em mínimos históricos

A descida dos juros nos depósitos para “terreno” negativo materializa-se na exigência aos bancos que paguem pelo dinheiro que têm em depósitos no BCE. Veio, assim, dar um “incentivo” para que a banca pusesse a circular a liquidez — que o banco central injetou no setor — por toda a economia. E continua a pôr.

Essa liquidez adicional da banca chega às economia do euro através da concessão de crédito pela banca. O efeito não foi imediato. O saldo do crédito nos países do euro começou a recuperar já em 2014, mas em Portugal demorou mais tempo. O crescimento do financiamento mantém-se residual, com o ritmo de amortização de empréstimos passados a continuar a ritmo acelerado.

BCE quer mais crédito. Em Portugal, é um desafio

Fonte: Banco de Portugal

Com o BCE a cortar juros, as taxas de mercado foram caindo mínimos históricos, que foram renovados em setembro, altura em que Mario Draghi cortou ainda mais a taxa cobrada aos bancos para -0,5%. E com a queda das Euribor, a remuneração dos depósitos das famílias e empresas começou a afundar, levando o juro médio para pouco mais de 0,1%, com muitos bancos a não pagarem nada pelas poupanças alheias.

Se a estratégia do BCE, de cobrar aos bancos pela liquidez adicional, tem benefícios para a liquidez no mercado, tem, por outro lado, consequências para os bancos. Com o fraco nível de concessão de crédito, os custos extra com o BCE estrangulam a margem financeira do setor.

Como em Portugal os bancos são impedidos por lei a repassar estes juros negativos para os depositantes, a solução tem sido fazer disparar comissões para tentar ter rentabilidade. Consciente do problema que criou, o BCE anunciou um sistema de escalões para o novo corte na taxa de depósitos, realizado já em vésperas da sua saída.

Depósitos nunca pagaram tão pouco

Fonte: Banco de Portugal

Os juros negativos foram inéditos, mas não foram a única decisão de política monetária que surpreendeu. Em 2014, Draghi anunciava que iria seguir os passos de bancos centrais como a Reserva Federal dos EUA ou o Banco do Japão, cumprindo os pedidos de países que agonizavam com a crise e indo contra as fortes críticas de países como a Alemanha. O BCE iria começar a comprar dívida pública e privada, num programa que insuflou a folha de balanço do BCE até mais de 2,6 biliões de euros.

A compra líquida de ativos tinha acabado no final de 2018, passando para uma fase de reinvestimentos dos juros e dos títulos que atingiam as maturidades. No entanto, a ameaça de uma nova recessão levou o BCE a anunciar, em setembro, que vai relançar as aquisições. Assim, e ao contrário da Fed, a folha de balanço do BCE vai voltar ao aumentar, mesmo sem nunca ter tido oportunidade de diminuir depois da crise.

Balanço do BCE sempre a “engordar”

Fonte: BCE e Fed

Este programa foi um dos grandes “balões de oxigénio” para que os países mais afetados pela crise, como Portugal, Espanha e Itália, conseguissem voltar a financiar-se no mercado. O BCE atua como grande comprador de dívida no mercado, levando os juros pedidos investidores para comprarem e trocarem títulos dos Estados sejam mais baixos — ajudando a reduzir a fatura com o serviço da dívida, o que “patrocina” a queda expressiva dos défices orçamentais.

A yield da dívida portuguesa a dez anos chegou acima de 16% em 2012 e afundou até aos níveis atuais, muito próximos de 0%. A tendência é generalizada aos vários países do euro e o benchmark europeu, as Bunds alemãs têm mesmo yields negativas. Chegaram a estar em “terreno” negativo no prazo a 30 anos.

Países nunca se financiaram com custos tão baixos

Fonte: Reuters

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oito anos em oito gráficos. O que mudou com Draghi na liderança do euro?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião