Têxtil e calçado vão precisar de 400 mil novos trabalhadores até 2030

  • Lusa
  • 24 Outubro 2019

Iniciativa da Comissão Europeia que tem como objetivo atrair jovens para setor têxtil, vestuário, calçado e curtumes. Até 2030 são necessários cerca de 400 mil novos trabalhadores nestes setores.

A Comissão Europeia lançou esta quinta-feira no Porto, uma campanha de atração de jovens para os setores têxtil, vestuário, calçado e curtumes destinada a colmatar a previsível necessidade de 400 mil novos trabalhadores nestes setores até 2030.

Intitulada “Open your mind” e executada pela Executive Agency for Small and Medium-sized Enterprises (EASM)e pela Directorate General for Internal Market, Industry, Entrepreneurship and SMEs (DG Grow) com a participação de várias confederações setoriais europeias, a campanha decorre ao longo dos próximos nove meses em Portugal, Itália, Espanha, Roménia, Polónia e Alemanha e pretende divulgar nas escolas e centros de formação oportunidades de emprego na indústria da moda.

“É necessário não só criar condições para que na próxima década o setor possa contratar 400 mil novos profissionais, como simultaneamente, à medida que a indústria está a mudar de forma significativa, são necessários profissionais não só para a produção, mas também para outras áreas consideradas mais nobres, como o ‘design’, ‘marketing’, informática, engenharia do produto e logística, explicou à agência Lusa Paulo Gonçalves, diretor de comunicação da Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS), entidade que integra o comité de direção deste projeto.

Referindo que cerca de 20% dos 2,2 milhões de trabalhadores das indústrias têxtil, vestuário, calçado e curtumes na Europa “já têm mais de 55 anos”, este responsável destaca que a crescente contratação de “novos talentos” é essencial se “a Europa quer continuar a estar na liderança destes setores, nomeadamente nos domínios do ‘design’ e da inovação”.

Segundo Paulo Gonçalves, em cima da mesa está também uma questão de sustentabilidade: “Falando-se hoje tanto em sustentabilidade, para nós o que não é sustentável é que um único continente – o asiático – tenha quotas de mercado em algumas destas indústrias superiores a 85%. Não é sustentável para a economia mundial e para o planeta que exista um desfasamento tão grande entre os diferentes players”, sustenta’.

Para que a mensagem “possa chegar de forma eficaz ao seu público-alvo”, no âmbito do programa vão ser organizadas visitas, encontros e ‘open days’ envolvendo escolas, centros de formação, empresas e associações do setor, em que “peritos vão falar sobre as possibilidades de carreira, respondendo também a todas as dúvidas dos potenciais interessados”, explicam os promotores do programa.

É que, dizem, o têxtil, vestuário, curtumes e calçado “são setores com grande tradição e com um grande peso na Europa, nomeadamente na economia portuguesa, mas continuam a ser pouco apelativos para a faixa etária entre os 14 e os 30 anos, o que causa junto das empresas constrangimentos em termos de recursos humanos”.

“Alterar a perceção que os jovens têm sobre estas indústrias é importante para a captação de talentos e para a renovação das empresas e das próprias áreas de negócio, que necessitam de ‘sangue novo’ para manterem um elevado nível de inovação e competitividade”, enfatizam, defendendo que, “para os mais jovens, uma carreira nesta área é atrativa não só pela criatividade envolvida, mas também pela possibilidade de, através da criação de soluções inovadoras, contribuírem para um planeta mais limpo”.

“As tecnologias digitais e o próprio desenvolvimento tecnológico em termos de I&D [Investigação & Desenvolvimento], produção, divulgação e comercialização dos artigos de vestuário e calçado criaram novos perfis de profissionais, muitos com elevado grau de especialização, tornando-as apelativas, por exemplo, para licenciados”, referem, salientando que “a globalização criou oportunidades de estudar fora do país de origem, nomeadamente através do programa Erasmus, ou de desenvolver uma carreira em vários pontos do globo”.

Para Paulo Gonçalves, “a indústria europeia precisa definitivamente de ser a grande referência internacional ao nível da indústria 4.0”: “Se já o foi no passado, o que a Comissão Europeia entende é que se devem criar as condições para que não perca esse património no futuro”, sustenta.

As áreas da indústria têxtil, vestuário, calçado e pele representam na Europa um volume de negócios anual de 200 mil milhões de euros e empregam 2,2 milhões de pessoas (66% das quais mulheres) em 225 mil empresas. Em países como Portugal, Itália, Espanha, Roménia e Polónia estes setores apresentam um peso significativo nas exportações.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Têxtil e calçado vão precisar de 400 mil novos trabalhadores até 2030

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião