Helena Roseta defende nova lei das rendas porque atual está “cheia de botox”

  • Lusa
  • 25 Outubro 2019

Para Helena Roseta, a ex-deputada independente eleita pelo PS, o atual regime do arrendamento urbano “está ultrapassado”.

A ex-deputada independente eleita pelo PS Helena Roseta disse esta sexta-feira que o atual regime do arrendamento urbano “está ultrapassado”, porque “é uma lei cheia de ‘botox’”, e defendeu a criação de uma nova lei das rendas.

“Já foram tantas mexidas, tantas intervenções cirúrgicas, tantas alterações, já ninguém se entende com aquilo, portanto está na altura de fazer um trabalho sério, com investigação, com apoio académico, científico e jurídico”, afirmou a arquiteta Helena Roseta, no âmbito do VI Congresso Nacional do Novo Regime do Arrendamento Urbano, que decorre em Lisboa, organizado pela empresa Debates & Discursos.

Na perspetiva da ex-deputada, que além de deixar a Assembleia da República, renunciou ao cargo de presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, a nova lei das rendas para arrendamento habitacional deve incluir todos os regimes em vigor, nomeadamente renda livre, renda acessível ou condicionada e renda apoiada, substituindo assim o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), em vigor desde 2012.

Juntar tudo na mesma lei era mais fácil para os cidadãos”, apontou Helena Roseta, acrescentando que tem que ser “uma lei para o século XXI”, que englobe todos os intervenientes do setor, inclusive associações de proprietários, de inquilinos e de mediadores imobiliários.

Neste âmbito, a arquiteta manifestou-se a favor da proposta do setor do comércio e serviços para que seja separado o arrendamento habitacional do arrendamento comercial, porque “são realidades diferentes”.

Para o presidente da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP), Luís Menezes Leitão, a intervenção de Helena Roseta é de “alguém que vai fazer as cirurgias de ‘botox’ e depois, verdade seja dita, fez ‘botox’ a mais”. “Ninguém lhes mandou fazer estes retalhos todos”, criticou Luís Menezes Leitão, considerando que “é necessário devolver estabilidade ao arrendamento”.

Segundo o representante dos proprietários, a última legislatura foi de “quatro anos de políticas totalmente erradas no setor da habitação”, o que provocou uma quebra de 20% dos contratos de arrendamento em 2018, a que se junta o registo de uma quebra de 9% este ano.

“Se não conseguimos ter estabilidade no arrendamento, se não conseguimos devolver a confiança aos proprietários, não vamos resolver o gravíssimo problema de habitação que foi criado, e não vale a pena procurar o bode expiatório do alojamento local, porque não tem a dimensão que existe para este caso”, sustentou o presidente da ALP.

De acordo com a Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL), Romão Lavadinho, as últimas alterações introduzidas no setor do arrendamento tiveram “alguma repercussão”, porque devolveram alguns direitos aos inquilinos e alguns direitos aos proprietários, “especialmente na questão dos impostos”.

“O que pretendemos, como temos vindo a afirmar ao longo de muitos anos, é que o NRAU seja alterado, seja denunciado e seja feita uma nova lei para o arrendamento”, referiu o representante dos inquilinos, reiterando a proposta de revogação do atual regime do arrendamento urbano.

A criação de um novo regime deve ter como base a Lei de Bases da Habitação, indicou Romão Lavadinho, apresentando propostas “para que o mercado de arrendamento, finalmente, possa não ficar apenas dependente dos proprietários privados, mas ter também como contraproposta os proprietários públicos”.

Entre as propostas dos inquilinos destacam-se a constituição de cooperativas para habitação, a nova construção de casas que destine “uma percentagem de 20% para rendas acessíveis”, a instituição de um sistema de subsídios de renda e a implementação da renda resolúvel, em que ao fim de uns anos o inquilino torna-se proprietário do imóvel arrendado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Helena Roseta defende nova lei das rendas porque atual está “cheia de botox”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião