“Não quero ser pessimista, mas não vejo mudanças na gestão pública”, diz presidente do CFP

  • ECO
  • 27 Outubro 2019

Nazaré Costa Cabral diz que Governo não devem querer começar a cortar "gorduras" do Estado sem antes ter uma estratégia clara de definição da despesa pública.

A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP), Nazaré Costa Cabral, considera que falta ao país um “processo que nos permita identificar que despesa pública é necessária fazer”, em vez de se tomarem “decisões que envolvem despesa pública mas que aparecem de forma errática e inconsistente, não enquadradas por uma estratégia”.

Em entrevista ao Dinheiro Vivo e à TSF (acesso livre), questionada sobre se os Governos têm cortado nas chamadas “gorduras” do Estado, Nazaré Costa Cabral diz que o tema essencial não é esse, é outro. “Temos neste momento um conjunto de insuficiências naquilo que costumo qualificar como quadro da decisão da despesa pública. Em Portugal habituamo-nos a pensar na questão da despesa de trás para a frente. Começamos por dizer que é preciso cortar na gorduras do Estado, que é preciso cortar no desperdício ou, pelo contrário, defender que é preciso aumentar a despesa aqui e ali, aumentar despesa corrente, aumento de salários, investimento público, etc. mas a questão fundamental é esta: não temos um processo que nos permita identificar que despesa pública é necessária fazer“, explicou.

“Não temos ferramentas de análise e programação que nos permitam identificar 1) que necessidades e despesa nas várias áreas de política pública é que temos; 2) que objetivos, metas, indicadores utilizar para verificar se os objetivos foram cumpridos; 3) como custear cada atividade subjacente a um determinado programa de despesa e como financiar essa atividade”, acrescentou.

Depois deu o exemplo da área da saúde, que é um setor paradigmático deste problema onde não existe “uma estratégia clara de definição da despesa pública”. Segundo a presidente da CFP, na nova lei de bases da saúde, começou-se a discutir pelo fim da questão — se deveria haver ou não parcerias público-privadas — quando se deveria em primeiro lugar aos aspetos que estão a montante: “num contexto de envelhecimento demográfico que estamos a viver, com a evolução das tecnologias que se fazem sentir no setor da saúde, não há identificação das áreas que estão mais sujeitas a essa pressão, que áreas médicas, onde é que devemos investir mais…”

Outro exemplo dado tem a ver com a forma como se gere a regularização de compromissos no setor da saúde. “É sempre um processo de urgência porque não está sustentado numa verdadeira identificação e priorização de necessidades. Veja-se esta situação extrema de como se executam contratos-programa entre o ministério da saúde e os hospitais quando ainda não estão formalmente assinados”, disse Nazaré Costa Cabral.

“São exemplos dos problemas graves de gestão e conceção de implementação das políticas públicas que temos no nosso país… não vejo sinais de mudança. Não queria ser demasiadamente pessimista, mas não vejo sinais de mudança“, afirmou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Não quero ser pessimista, mas não vejo mudanças na gestão pública”, diz presidente do CFP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião