80% do que é produzido no cluster da moda vem da Ásia. Têxtil, vestuário e calçado preocupados

80% da produção do cluster da moda provém da Ásia e entra na Europa sem qualquer taxa aduaneira. Representantes do setor têxtil, vestuário e calçado estão preocupados e falam de concorrência desleal.

A Europa abriu portas ao mercado asiático e esta abertura está a causar problemas, principalmente no setor do calçado, vestuário, têxtil e curtumes. Cerca de 80% do que é produzido no cluster da moda provem de países asiáticos como Vietname, Bangladesh ou Paquistão. O facto de a Europa ter aberto a porta a estes mercados está a “provocar uma concorrência desleal”, queixam-se os profissionais do setor.

“Não é sustentável que mais de 80% da produção de alguns produtos do setor têxtil, vestuário e calçado sejam produzidos num único continente — o asiático”, sublinhou ao ECO, Paulo Gonçalves, diretor de comunicação da Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (Apiccaps), à margem da campanha “Open your mind”, uma iniciativa da Comissão Europeia que tem como objetivo atrair jovens para setor têxtil, vestuário, calçado e curtumes.

“A sustentabilidade é a produção local e defendemos esse conceito. As raízes da moda estão baseadas na Europa. Não devemos perder esse património”, destaca Paulo Gonçalves.

As políticas que estão a ser implementadas na Europa são para assassinar estes setores tradicionais.

César Araújo

Presidente da Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confeção (Anivec)

O presidente da Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confeção (Anivec), César Araújo corrobora a ideia e acrescenta que “a produção que vem da Ásia entra na Europa sem pagar qualquer taxa aduaneira e isso é uma concorrência desleal para os produtos europeus”. “Esses produtos têm de ser regulados, não podem entrar com taxa zero”, defende, em declarações ao ECO.

“Está a ser criada na Europa uma concorrência desleal, feroz, sem regrase sem regulação, o que acaba por se tornar num mercado selvagem”, frisa o empresário têxtil. “Se a Europa não quer estes setores tem de ter a coragem de o dizer”, desafia. “As políticas que estão a ser implementadas na Europa são para assassinar estes setores tradicionais. Todos estes fatores não estimulam a criação de emprego e a dinamização destes setores”, lamenta César Araújo.

“A Comissão Europeia entusiasmou a divisão internacional do trabalho, ou seja, a produção fica nos países emergentes, o consumo e a distribuição nos países desenvolvidos”, salienta o diretor geral da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP), Paulo Vaz.

Acrescenta ainda que é fundamental eliminar a pegada carbónica e produzir na Europa. “Se queremos uma indústria sustentável, não podemos continuar a ter a produção num continente e o consumo noutro”, explica Paulo Vaz.

Jovens não estão interessados nas indústrias tradicionais

O cluster da moda emprega, na Europa, mais de de dois milhões de pessoas em 225 mil empresas, gerado mais de 200 mil milhões de euros todos os anos. Contudo, quase um quarto destes trabalhadores do têxtil, vestuário, curtumes e calçado têm mais de 55 anos, e Portugal não é exceção.

Os empresários portugueses sentem falta de recursos humanos qualificados nas indústrias mais tradicionais, como é o caso do calçado, têxtil e vestuário, mas existe um forte desinteresse dos jovens em enveredar por estes caminhos.

“É necessário criar uma indústria de futuro na Europa. Temos de nos preocupar com a atratividade do setor industrial”, defende Martinho de Oliveira. Em declarações ao ECO, o professor da Universidade da Aveiro sublinhou que este “é um setor que, provavelmente, não é visto hoje pelo maioria dos jovens como parte integrante do seu futuro”. “O setor produtivo da manufatura está envelhecido e precisamos sensibilizar os jovens para estas áreas industriais para garantir a sua continuidade e futuro na Europa”, concluiu Martinho de Oliveira.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

80% do que é produzido no cluster da moda vem da Ásia. Têxtil, vestuário e calçado preocupados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião