Mais de 50% dos portugueses consegue pagar imprevistos até 640 euros

  • Lusa
  • 30 Outubro 2019

A geração dos chamados millennials, entre os 25 e 34 anos, é a que mais poupa, de acordo com um estudo da Intrum.

Um estudo da Intrum, especialista na indústria de Serviços de Gestão de Crédito, divulgado esta quarta-feira, concluiu que 55% dos portugueses inquiridos poderia, sem ter que pedir dinheiro emprestado, pagar uma despesa imprevista de 640 euros.

Para a realização do Relatório de Pagamentos do Consumidor Europeu, “a Intrum recolheu dados de 24.398 consumidores em 24 países europeus para adquirir o conhecimento da vida quotidiana dos consumidores europeus, dos seus gastos e da sua capacidade de gerir os orçamentos domésticos numa base mensal”, esclarece à Lusa.

Segundo os dados divulgados em comunicado esta quarta-feira, em Portugal, a geração dos chamados ‘millennials’ (entre os 25 e 34 anos) é a que mais poupa, com sete em cada 10 (70%) a afirmar poupar dinheiro todos os meses, comparando com as pessoas com mais de 50 anos, na qual a percentagem dos que poupam atinge o valor mais baixo (55%).

“Estes valores, muito em linha com a média europeia (68%) e (53%) respetivamente, distanciam-se significativamente da vizinha Espanha onde a faixa etária a partir dos 50 anos é o grupo que mais poupa, atingindo os 73%”.

O estudo concluiu também que, dos portugueses inquiridos, 59% revela conseguir poupar, em média, 193 euros todos os meses, sendo que 62% investe as suas economias em contas poupanças, apesar desta percentagem ter vindo a revelar uma tendência decrescente, com um ligeiro decréscimo comparativamente ao ano anterior (66%).

9% dos inquiridos revela não saber como investe as suas poupanças, um valor mais baixo do que em 2017, que tinha sido de 12%. A divulgação do estudo vem a propósito do Dia Mundial da Poupança, que se assinalada no dia 31 de outubro e que foi criado pela Sociedade Mundial de Bancos de Poupança, “para promover a poupança pessoal e fortalecer a autossuficiência económica das pessoas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de 50% dos portugueses consegue pagar imprevistos até 640 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião