Sonae, Continental e Lufthansa LGSP contratam no Porto. Há centenas de ofertas de trabalho disponíveis

Sonae, Continental, Lufthansa Ground Services Portugal, Faurecia, Domingos Salvador e Altronix estão a contratar. Empresas querem recrutar em várias áreas de formação, de norte a sul do país.

A Sonae, Continental, Lufthansa Ground Services Portugal, Faurecia, Domingos Salvador e Altronix estão a contratar e têm mais de 125 ofertas de trabalho a nível nacional. Comunicação, engenharia, contabilidade, gestão, IT, psicologia, recursos humanos… e até profissionais que dominem o alemão. Há vagas para vários gostos e várias áreas de formação. O ECO marcou presença na Feira Internacional de Emprego e falou com seis empresas para perceber quais os perfis procurados.

A Lufthansa Ground Services Portugal (LGSP) está a recrutar cerca de dez pessoas, mas com uma peculiaridade: têm que falar alemão. As vagas são para o Remote Business Center na Boavista, no Porto. Sofia Santos, do departamento de recursos humanos da LGSP, explica ao ECO que a empresa “tem ofertas disponíveis durante todo o ano no site da empresa“, que já conta com 250 colaboradores em Portugal.

“Nós oferecemos apoio remoto por email e por telefone a vários aeroportos distribuídos pelo mundo. Precisamos essencialmente de pessoas que saibam falar línguas, neste caso específico, o alemão. Temos pessoas de várias áreas de formação, não precisam ser formados na língua alemã, apenas precisam dominar o idioma, até porque nos oferecemos uma formação de cinco semanas para o colaborador aprender tudo o que é essencial para o seu trabalho”, refere Sofia Santos.

A poucos quilómetros de distância do Porto, em Vila Nova de Gaia, existem sete ofertas de emprego na empresa de contabilidade Domingos Salvador. “Temos disponíveis duas vagas de contabilidade, uma de gestão, duas de recursos humanos e orientadas para o processamento salarial, uma de informática e uma em receção e serviços administrativos”, destaca Mafalda Lopes, responsável de marketing e comunicação. A empresa nortenha conta com 54 colaboradores, mas pretende fechar o ano com 61 colaboradores.

Com um número de ofertas bastante superior está a Faurecia, fabricante de componentes para o setor automóvel, que tem atualmente cerca de 20 vagas a nível nacional, desde estágios do IEFP, estágios da Faurecia a posições na área de engenharia e IT. Os candidatos podem enviar as candidaturas através do site da empresa. Joana Rodrigues, human resources generalist da Faurecia, que conta com cerca de 4.500 colaboradores em Portugal, diz ao ECO que estão disponíveis mais 20 vagas nas áreas de finanças, contabilidade e logística, para o recente centro de serviços em Santa Maria da Feira – o Global Business Services (GBS).

A Altronix, empresa de etiquetas e soluções de identificação — que já foi considerada uma das dez empresas mais felizes para trabalhar em Portugal pela revista Exame tem atualmente quatro vagas em aberto para a área comercial e engenharia. Cristiana Pereira, operativa da Altronix, confirma ao ECO que neste momento existem três vagas para a área comercial nas instalações em Lisboa e uma vaga na área de engenharia eletrotécnica para o Porto. A Altronix conta com um volume de negócios de 5,3 milhões de euros.

O grupo Continental tem disponível cerca de 12 ofertas de emprego para Vila Nova de Famalicão, Vila Real e Palmela. As vagas estão disponíveis na página de LinkedIn da empresa.

Não é um recrutamento em massa. É um recrutamento especializado para identificar talento jovem de topo.

Sofia Passos

Recursos humanos do grupo Sonae

Sonae promove programas para identificar talentos de topo

O grupo Sonae também marcou presença na Feira Feira Internacional de Emprego, mas com uma missão diferente: divulgar os programas “Call for Summer”, “Call for Solutions” e “Programa Contacto”, que têm como foco a busca de talento jovem. São disponibilizadas cerca de 60 vagas anuais para estes programas a nível nacional, nas áreas de economia e gestão, engenharias, IT, ciências, marketing e comunicação, perfis de psicologia e recursos humanos.

“Não é um recrutamento em massa. É um recrutamento especializado para identificar talento jovem de topo. Não é só a empresa que está a escolher um candidato, o candidato também está a escolher a empresa e determinado projeto dentro dessa mesma empresa”, explica ao ECO Sofia Passos, do departamento de recursos humanos do grupo Sonae, que tem um volume de de negócios de 5,9 mil milhões de euros.

O “Call for Summer” é um programa que se destina a contratar jovens para estágios de verão, o “Call for Solutions” recruta alunos que queiram desenvolver projetos de mestrado dentro das equipas da Sonae e o “Programa Contacto” foca-se numa primeira experiência profissional com o objetivo de posteriormente fazerem parte da empresa. A bolsa para este último programa ronda os mil e duzentos euros, explica Sofia Passos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae, Continental e Lufthansa LGSP contratam no Porto. Há centenas de ofertas de trabalho disponíveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião