Alle Wine representa setor do vinho português no Web Summit

Startup é a única empresa portuguesa do setor do vinho a marcar presença no Web Summit. O objetivo é aproximar o enoturismo da tecnologia e encontrar investidores e parceiros internacionais.

A Alle Wine será a única startup portuguesa do setor do vinho a marcar presença no Web Summit. A empresa foi convidada a subir ao palco, na sessão da inauguração oficial, daquele que é o maior evento de tecnologia e empreendedorismo do mundo.

A Alle Wine é uma app que faz a gestão integrada da experiência enoturística, desde o momento inicial até à avaliação final. Esta aplicação destina-se a dois públicos: os enoturistas e os produtores de vinho. O projeto pretende ser um facilitador e agregador da experiência do enoturismo, permitindo ao utilizador descobrir, escolher, marcar e chegar às adegas e produtores de forma autónoma. Esta aplicação permite ainda que o enoturista faça a reserva da sua viagem, estadia e escolha dos melhores locais para degustação.

O principal objetivo da Alle Wine ao participar no Web Summit é demonstrar que é possível aproximar o enoturismo da tecnologia e encontrar investidores e parceiros para iniciar a implementação noutros mercados. “É necessário trazer a mentalidade do setor terciário onde o turismo assenta, mantendo a autenticidade e singularidade de cada quinta, de cada vinha e de cada história. A posição que a Alle Wine vai exercer no mercado português é igualmente necessária noutros países. Sendo o Brasil, Espanha, Itália e França prioritários para expansão”, afirma Marta Vendeiro, cofundadora e CMO da Alle Wine, citada em comunicado.

Para Pedro Santos, cofundador e CTO da Alle Wine, “o enoturismo é atualmente um setor de alguma imaturidade mas com um crescimento muito acentuado. Existe uma crescente procura e alguma oferta, que nem sempre se encontram. A Alle Wine vem exatamente responder a essa necessidade, permitindo a localização da oferta, seleção e marcação da experiência de enoturismo, de forma simples e quase imediata através da App”, sublinhou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alle Wine representa setor do vinho português no Web Summit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião