Rio no Parlamento, Montenegro e Pinto Luz na internet. Os palcos escolhidos pelos candidatos à liderança no PSD

Na corrida à liderança do PSD, os candidatos definem estratégias e apostam em palcos que lhes possam dar visibilidade. Rio, Montenegro e Pinto Luz têm cerca de dois meses para convencer militantes.

A corrida à liderança do PSD obriga os candidatos a esforços redobrados para tentar passar a mensagem aos militantes. Afinal são eles que votam. A data das eleições e do congresso será conhecida no próximo fim de semana. Rio, Montenegro e Pinto Luz têm cerca de dois meses para convencer militantes e por isso reforçam os palcos onde se querem mostrar.

Rui Rui já estava ativo na rede social Twitter. Foi por lá que passou mensagens durante a campanha eleitoral para as legislativas de 6 de outubro. Perante os maus resultados das eleições, Rio decidiu candidatar-se à liderança do partido e apostou tudo num regresso em força ao Parlamento, depois de 18 anos fora dos corredores do Palácio de São Bento.

No dia em que disse presente para a disputa do poder no PSD, Rio anunciou que assumiria a liderança da bancada parlamentar até ao congresso que servirá para eleger os novos órgãos saídos das eleições diretas em janeiro.

E no debate do Programa de Governo, Rio não deixou para outros as intervenções principais do partido. Foi ele quem confrontou António Costa na primeira ronda de pedidos de esclarecimento e foi também Rui Rio quem fez a intervenção final no encerramento.

Rui Rio interpela o Governo durante o debate sobre o Programa do XXII Governo Constitucional, na Assembleia da República.TIAGO PETINGA/LUSA

Ao garantir o lugar de líder da bancada, Rio assume mais protagonismo e mais visibilidade. E a estratégia parece ter resultado. Miguel Pinto Luz, um dos adversários, elogiou o desempenho do presidente do PSD no primeiro frente-a-frente com António Costa na Assembleia da República.

Mas se Rio acrescenta esta nova camada de comunicação, Luís Montenegro e Miguel Pinto Luz estão para já apostados em chegar aos militantes através da internet.

O antigo líder da bancada parlamentar de Passos Coelho divulgou esta sexta-feira que tem uma página na internet, onde disponibiliza um perfil seu, escreve uma mensagem com o título “Conto com a força de todos”, numa tentativa de destacar uma mensagem de unidade, e exibe três apoios — Maria Luís Albuquerque, a ex-ministra das Finanças de Passos, nome lançado pelo ex-Presidente da República Cavaco Silva, o ex-deputado José Matos Correia e Pedro Duarte, um dos nomes visto como possível futuro candidato à liderança dos sociais-democratas.

Longe dos holofotes e dos corredores do poder em Lisboa, Luís Montenegro conta com a página para mostrar a sua agenda e partilhar o que vai fazendo na campanha para a liderança no PSD.

Também Miguel Pinto Luz se socorre da internet — no caso das redes socais — para chegar aos militantes. Foi através da sua página na rede social Facebook que o vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais anunciou que seria candidato à liderança do partido. Nesta página aproveita também para divulgar as suas intervenções.

As datas das eleições diretas e do congresso do partido serão marcadas no Conselho Nacional do PSD marcado para a próxima sexta-feira, 8 de novembro. Os meses já são conhecidos. A escolha do líder por eleição direta é feita em janeiro e o congresso que define a estratégia política e os órgãos do partido ocorre em fevereiro.

Segundo o Expresso, há menos militantes em condições de votar: cerca de 20 mil contra os 62 mil das eleições de janeiro de 2018, que colocaram Rio contra Santana Lopes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio no Parlamento, Montenegro e Pinto Luz na internet. Os palcos escolhidos pelos candidatos à liderança no PSD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião