Bancos querem começar a cobrar comissões nos depósitos das empresas públicas

Pablo Forero revelou que banco está a apoiar "totalmente" a ação da APB junto do Banco de Portugal para começar a cobrar comissão pelos depósitos de multinacionais e de empresas públicas.

O BPI já começou a aplicar uma comissão pelos depósitos de grandes clientes financeiros para compensar os juros negativos do Banco Central Europeu (BCE). Mas também quer cobrar pelos depósitos de multinacionais e das empresas públicas. Está só a aguardar uma decisão do Banco de Portugal em relação a um pedido feito por parte da associação que representa o setor para começar a fazê-lo.

“Gostaríamos, se for possível, quando o Banco de Portugal considerar oportuno, cobrar uma comissão pelos depósitos às grandes empresas multinacionais e às empresas institucionais, a empresas públicas, fundamentalmente. Isso seria o que nós gostaríamos”, referiu Pablo Forero, presidente executivo do BPI, na conferência de apresentação de resultados. O BPI registou lucros de 253,6 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano. É uma quebra de mais de 50% face ao período homólogo em que os resultados líquidos dispararam à conta de ganhos extraordinários.

“Naturalmente, estamos a apoiar a ação da Associação Portuguesa de Bancos (APB) junto do Banco de Portugal nesse sentido. Apoiamos totalmente”, sublinhou Pablo Forero, sinalizando que todos os bancos do sistema pretendem avançar com essa comissão numa altura em que sentem o impacto das taxas negativas do BCE.

Para já, o BPI está a cobrar uma comissão de 0,3% aos grandes clientes institucionais, como fundos de pensões e seguradoras. Foi o suficiente para o banco ter conseguido reduzir o stock de depósitos destes clientes em quase 600 milhões de euros desde o início do ano, para 350 milhões de euros no final de setembro. Forero adiantou esta segunda-feira que o BPI já está a avisar estes clientes que vai agravar a comissão para 0,5% no início do próximo ano e espera, por isso, que o stock continue a cair.

“Os depósitos das instituições financeiras estão a custar-nos dinheiro e a penalizar a nossa conta de resultados. As instituições financeiras são profissionais como os bancos, têm acesso às repos e aos bilhetes do Tesouro, mas fazem os depósitos nos bancos porque conseguem 0%, enquanto no mercado de repos e de bilhetes do Tesouro têm rendimentos negativos. Se o saldo continuar a cair, é bem-vindo”, referiu o líder do BPI.

Gostaríamos, se for possível, quando o Banco de Portugal considerar oportuno, cobrar uma comissão pelos depósitos às grandes empresas multinacionais e às empresas institucionais, a empresas públicas, fundamentalmente.

Pablo Forero

Presidente do BPI

“Damos sempre um pré-aviso de várias semanas para poderem fazer o que quiserem ao dinheiro. Calculamos que os depósitos destes clientes vão continuar a descer”, explicou ainda, frisando que o banco não tem a intenção de cobrar pelos depósitos de particulares ou PME.

O que acontece atualmente é que por causa da ação de política monetária BCE, o excesso de liquidez das instituições financeiras, que fica depositado na conta do banco central, é penalizado com uma taxa negativa que pode ir até -0,5%.

Em Portugal, ao contrário de outros países, não é permitido aplicar uma taxa de juro negativa nos depósitos, razão pela qual vários banqueiros vieram reclamar há duas semanas uma mudança na lei portuguesa para “jogarem” com as mesmas regras dos bancos europeus. No entanto, ao ECO, fonte oficial do Ministério das Finanças rejeitou qualquer alteração ao quadro em vigor.

Para contornar esta impossibilidade, os bancos estão a aplicar uma comissão nos depósitos de instituições financeiras (em vez de uma taxa de juro negativa), como já acontece no BCP e no BPI. Mas está em cima da mesa a possibilidade de alargar o âmbito desta comissão a empresas do setor público e grandes multinacionais.

(Notícia atualizada às 13h07)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos querem começar a cobrar comissões nos depósitos das empresas públicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião