Sem ganhos extraordinários, lucro do BPI cai para 253 milhões até setembro

BPI registou lucros de 253,6 milhões de euros até setembro. É uma quebra de mais de 50% face ao período homólogo.

O BPI registou lucros de 253,6 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano. É uma quebra de mais de 50% face ao período homólogo em que os resultados líquidos dispararam à conta de ganhos extraordinários.

O banco liderado por Pablo Forero anunciou nesta segunda-feira que encerrou os nove primeiros meses deste ano com um resultado líquido de 253,6 milhões de euros, valor que corresponde a uma quebra de 52% face ao mesmo período de 2018. Essa quebra de resultado é “muito influenciada por impactos positivos extraordinários registados em setembro de 2018″, explica o banco.

Especificamente 160 milhões de euros, resultantes essencialmente dos ganhos com a venda de participações, bem como da alteração da classificação contabilística do Banco de Fomento de Angola (BFA) no final de 2018. Essa alteração leva a que o resultado consolidado passe a partir de 2019 a “refletir os dividendos do BFA atribuídos ao BPI quando anteriormente refletia a apropriação de resultados do BFA por equivalência patrimonial”, segundo explica o banco em comunicado.

Já o lucro líquido recorrente da atividade em Portugal totalizou 152,8 milhões de euros, uma redução homóloga de 7% que é “explicada por imparidades de 11 milhões de euros em unidades de participação que o banco tem há alguns anos em fundos de recuperação, subscritas por contrapartida da cedência de créditos aqueles fundos”.

Por sua vez, o contributo do BFA para o lucro consolidado até setembro ascendeu a 86,4 milhões de euros, valor que inclui os dividendos líquidos relativos ao exercício de 2018, atribuídos ao BPI, e uma reversão de impostos diferidos passivos (51 milhões de euros). O BCI, em Moçambique, gerou um contributo positivo de 14,5 milhões de euros nos nove primeiros meses de 2019.

Recursos de clientes sobem. Crédito mantém crescimento

No mercado doméstico, o banco viu os recursos totais de clientes subirem 733 milhões de euros (+2,2%), para 33.928 milhões, com os depósitos de clientes a crescerem 5,8% face ao período homólogo, para 22.336 milhões de euros.

Do lado do crédito a clientes, a carteira bruta aumentou 602 milhões de euros (+2,6%) no acumulado do ano, para 24.089 milhões. No caso do crédito a empresas a carteira cresceu 2,8%, para 9.553 milhões de euros, enquanto no crédito a particulares a carteira cresceu 12% face a dezembro de 2018, alcançando 1.554 milhões de euros.

Ao nível da margem financeira, o BPI diz que “mantém crescimento suportado pela atividade comercial”. Em resultado da nova produção de crédito, viu beneficiou de um crescimento de 3,4% na margem financeira face ao período homólogo, para 326,1 milhões de euros.

No que respeita às receitas de comissões líquidas ocorreu, contudo, uma quebra de 9 milhões de euros face ao período homólogo para 192,5 milhões de euros. O BPI enquadra essa redução com o facto de que “já não beneficiam do contributo dos negócios de cartões, acquiring e banca de investimento alienados em 2018“. Em base comparável, pelo contrário, as comissões aumentaram 8,8%, para 15,6 milhões de euros.

(Notícia atualizada às 9h06)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sem ganhos extraordinários, lucro do BPI cai para 253 milhões até setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião