Novabase dispara em bolsa com venda de negócio à Vinci

Tecnológica portuguesa vendeu a subsidiária Novabase Digital, responsável pelo negócio de Governo, Transportes e Energia, à Vinci por 33 milhões de euros. Dispara mais de 10% em Lisboa.

A Novabase está a ser a estrela numa sessão positiva na bolsa nacional. A tecnológica portuguesa regista uma valorização de mais de 10% depois de anunciar que vendeu a subsidiária Novabase Digital, responsável pelo negócio de Governo, Transportes e Energia, à Vinci por um valor de 33 milhões de euros.

Os títulos da tecnológica seguem a valorizar 11,55% para os 2,80 euros. É uma forte subida, que leva as ações para máximos do final de julho, suportada por um forte volume negociado. Trocaram de mãos mais de 27 mil títulos, gerando uma liquidez de mais de 73 mil euros que compara com a média diária de 33 mil euros nos últimos 12 meses.

Novabase brilha em Lisboa

Os investidores estão a reagir positivamente ao facto de a Novabase ter celebrado, “juntamente com a sua subsidiária indireta Novabase Consulting, um contrato de venda, à VINCI Energies Portugal, do seu negócio de “Application and Data Analytics” para os setores de Governo, Transportes e Energia”.

Esta operação, comunicada à CMVM, vai acontecer por 33 milhões de euros, valor que será pago na data de concretização da transação, refere o comunicado, mas que estará sujeito a ajustamentos. “A este valor pode acrescer um potencial earn-out de três milhões de euros, dependente da performance final do Negócio GTE que se vier a verificar no ano de 2019″.

Este negócio de Governo, Transportes e Energia emprega atualmente perto de 400 colaboradores e representou uma faturação de 35 milhões de euros no ano passado para a Novabase.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novabase dispara em bolsa com venda de negócio à Vinci

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião