Sánchez intensifica batalha ao centro em busca de votos em debate decisivo

  • ECO
  • 5 Novembro 2019

Nova abordagem de Pedro Sánchez centrada na Catalunha visa "roubar" votos ao Ciduadanos de modo a garantir os 140 assentos necessários para garantir a permanência no Palácio da Mocloa.

No embate que colocou frente a frente Sánchez, Casado, Abascal, Iglesias e Rivera emergiu um novo posicionamento estratégico de Pedro Sánchez rumo às legislativas de 10 de novembro. O líder do PSOE, e atual primeiro-ministro de Espanha, deixou o eixo da esquerda para intensificar a batalha ao centro em busca de votos “órfãos” do Ciudadanos. Para isso intensificou a competição com o PP e o Ciudadanos com a proposta de reformas legais severas, como por exemplo a recuperação da criminalização da convocação de referendos ilegais, noticia o El País (acesso livre, conteúdo em espanhol) nesta terça-feira.

A nova abordagem de Pedro Sánchez centrada na Catalunha visa “roubar” votos ao Ciduadanos de modo a garantir nas eleições do próximo fim de semana os 140 assentos necessários para garantir a permanência no Palácio da Mocloa, sede da presidência do Governo de Espanha.

Essa postura mereceu críticas por parte dos candidatos à direita que acusou Sánchez de entrar no seu terreno. Já Pablo Iglesias, líder do Podemos, lhe pediu que não abandonasse o seu bloco e não fosse atrás da direita “ignorante e agressiva” e que assumisse que o problema catalão apenas se resolverá com diálogo.

A Catalunha esteve assim no centro do debate, com o atual primeiro-ministro de Espanha a acusar o PP de ter sido brando e de ter “deixado escapar Puidgemont” e de permitir a realização de dois referendos.

Mas houve outras “guerras” paralelas. Nomeadamente, um confronto entre Casado e Rivera também foi duro, ao ponto de o líder dos populares ter referido dois conselheiros catalães do PP, mortos às mãos da ETA, para pedir ao líder do Ciudadanos que parasse de “lhe dar lições”. Já o líder do Vox, Santiago Abascal, criticou todos e prometeu ilegalizar os partidos independentistas e prender Quim Torra, atual presidente da Generalitat, o Governo da Catalunha.

Uma sondagem divulgada pelo El Mundo, esta segunda-feira ainda antes do embate político entre os candidatos às legislativas do próximo fim-de-semana, apenas dez assentos parlamentares separam a esquerda da direita, havendo ainda 35% de eleitores indecisos. Os socialistas do PSOE surgem com 27,9% das intenções de voto, seguidos pelos populares do PP com 20,3%. Já o Unidas Podemos deverá tornar-se a terceira força política, com 13,5% das intenções de voto, seguido pelo Vox (extrema direita) e pelo Ciudadanos com 13,2% e 8,9%, respetivamente.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sánchez intensifica batalha ao centro em busca de votos em debate decisivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião