“A inovação é fundamental para o futuro das empresas e do país”, diz Carlos Oliveira

O conselheiro europeu para a inovação esteve presente esta quinta-feira na conferência "Investimento e Capitalização das Empresas", promovida pelo Banco Empresas Montepio (BEM), em Braga.

A indústria portuguesa está a passar por uma transformação a grande velocidade. Indústria 4.0, robotização, automação, inteligência artificial. Este é o futuro e as empresas têm de preparar-se neste sentido. Carlos Oliveira, conselheiro europeu para a inovação, está convicto que “quem conseguir aplicar a inovação aos processos e produtos terá mais potencial de ter sucesso no futuro”. Diz que a inovação é um tema “muito complexo, mas fundamental para o futuro das empresas e do país”.

“As empresas devem apostar na inovação para se diferenciarem no produto, no marketing e nos processos. Só assim é que poderão no futuro alavancar e ter crescimento”, explica o conselheiro europeu para a inovação.

Para Carlos Oliveira “a inovação está extremamente ligada ao talento e à qualificação dos recursos humanos, mas também à própria gestão e aos próprios empresários”. Na conferência “Investimento e Capitalização das Empresas”, promovida pelo Banco Empresas Montepio (BEM) em Braga, o conselheiro europeu para a inovação explica que “para existir inovação com maior impacto, as empresas devem pensar numa perspetiva a médio prazo. Devem olhar para o futuro dos produtos a cinco anos e potenciar colaborações com o sistema cientifico e tecnológico”.

A produtividade aumentará com a incorporação de inovação.

Carlos Oliveira

Conselheiro europeu para a inovação

Numa altura que em que a produtividade é um desafio para Portugal, Carlos Oliveira explicou ao ECO, à margem da conferência, que “a produtividade aumentará com a incorporação de inovação”. “As empresas devem optar por produtos mais rentáveis e que tenham a capacidade de aumentar as vendas e acrescentar valor”, reforça.

José Teixeira, presidente do grupo DST, constata que grande parte do tecido empresarial tem pouca escolaridade e qualificação. Considera que “o capital necessário para suprimir estes erros é investir na inovação, no conhecimento, na ciência, na ligação com as universidades, porque não há capacidade de autoconhecimento nas empresas”.

Numa perspetiva mais técnica, o economista Ricardo Arroja explica que a capitalização das empresas é fundamental e que em Portugal há falta de investimento. “Falta rentabilidade às empresas e perspetivas de rentabilizar o investimento”. Constata que “entre as PME, quase 25% têm capitais próprios negativos, o que significa que 1/4 das pequenas e médias empresas estão tecnicamente falidas”.

“Em Portugal há um problema de financiamento e as empresas estão muito descapitalizadas. (…) Existe uma incapacidade de identificar empresas que são viáveis, mas que por falta de financiamento não conseguem escalar”, conclui o economista Ricardo Arroja.

 

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“A inovação é fundamental para o futuro das empresas e do país”, diz Carlos Oliveira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião