CGD fecha venda do banco na África do Sul. Recebe 215 milhões de euros

Banco liderado por Paulo Macedo vai receber 215 milhões pelo Mercantile Bank. Assinou um acordo de cooperação com o novo dono, o Capitec.

Está fechada a venda do banco sul-africano. A Caixa Geral de Depósitos (CGD) concluiu a alienação do Mercantile Bank, na África do Sul, ao Capitec, por uma soma de 215 milhões de euros, acima da prevista. Ao mesmo tempo que sai do capital da instituição, mantém a ligação àquele mercado através de um acordo de cooperação comercial.

A formalização da venda já estava prevista para o arranque deste mês, depois de terem sido obtidas todas as autorizações necessárias para a alienação deste banco. A CGD tinha afirmado que a venda estava fechada por 3,2 mil milhões de rands sul-africanos (cerca de 192 milhões de euros). Ficou concluída por 3,56 mil milhões de rands, cerca de 215 milhões de euros, revela o banco público em comunicado enviado à CMVM.

Apesar da venda, a CGD mantém-se no mercado sul-africano, através de um acordo de cooperação. Esse acordo “consubstancia o interesse das partes em continuar a cooperar comercialmente no futuro, e que consagra a intenção do Capitec e da Mercantile em manter os atuais níveis de serviço à base de clientes da Mercantile (nomeadamente, empresas portuguesas na África do Sul e clientes particulares da Comunidade Portuguesa na África do Sul), durante um período de pelo menos 12 meses e de acordo com as disposições da política comercial das partes envolvidas”.

“No âmbito do acordo de colaboração comercial, o Grupo CGD, o Capitec e a Mercantile reconhecem ainda os potenciais benefícios de eventuais oportunidades de parceria na África do Sul, Angola, Moçambique e/ou envolvendo agentes económicos destes países, em particular os da Comunidade Portuguesa radicada na África do Sul ou outros com ligações especiais a Portugal”, nota a CGD.

Mais um passo. CGD vai continuar a trabalhar

“Com a conclusão da venda, fica assim cumprido mais um dos principais compromissos da CGD ao abrigo do Plano Estratégico, permitindo fortalecer de forma assinalável a sua capitalização”, diz o banco liderado por Paulo Macedo.

Recorde-se que a venda deste banco na África do Sul acontece depois de, esta segunda-feira, a CGD ter concluído a venda do banco em Espanha. O Banco Caixa Geral (BCG) passou para os espanhóis do Abanca por 364 milhões de euros.

“A CGD irá continuar a trabalhar com o objetivo de cumprir integralmente os objetivos do Plano Estratégico. Além da racionalização do negócio internacional, a CGD tem também como objetivos a redução da sua estrutura de custos e do volume de ativos não-performantes do seu balanço, de forma a melhorar a sua rentabilidade”, remata.

(Notícia atualizada às 7h34 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD fecha venda do banco na África do Sul. Recebe 215 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião