Paulo Macedo lamenta saída da CGD de Espanha mas considera medida necessária

  • Lusa
  • 14 Outubro 2019

O presidente da CGD lamentou a saída do banco de Espanha, mas considerou a medida necessária para apoiar a sustentabilidade e reduzir a probabilidade de o banco voltar a pedir dinheiro emprestado.

O presidente executivo da CGD, Paulo Macedo, lamentou esta segunda-feira em Madrid a saída do banco de Espanha, mas considerou a medida necessária para apoiar a sustentabilidade e reduzir a probabilidade de o banco voltar a pedir dinheiro emprestado.

“A Caixa Geral de Depósitos (CGD) no mundo ideal preferia estar e manter-se em Espanha”, disse Paulo Macedo na conferência de imprensa que assinalou a conclusão da venda da filial espanhola, Banco Caixa Geral (BCG) ao Abanca.

O presidente executivo da CGD explicou que a venda foi feita como “uma condição da capitalização da própria Caixa” e estava prevista no Plano Estratégico de 2017 do banco.

Paulo Macedo insistiu que a CGD “não sai com gosto” do mercado espanhol, mas acrescentou que, de qualquer forma, “não é sustentável” a prazo a presença de um banco como o BCG que tem apenas 0,25% da quota de mercado do setor em Espanha.

“A CGD não está efusiva mas a Caixa não tem nenhuma dúvida que estar mais focada e ser mais sustentável e ter menores probabilidades de pedir dinheiro aos contribuintes é um fator positivo”, concluiu Paulo Macedo.

A CGD formalizou a venda definitiva de ações representativas de 99,79% do capital do BCG, sociedade de direito espanhol, ao grupo bancário espanhol Abanca por 384 milhões, segundo informação publicada hoje na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) português.

O novo dono da que foi até agora a filial portuguesa da CGD, através do seu presidente, Juan Carlos Escotet Rodríguez, considerou que o BCG é um banco “são, capitalizado e muito bem gerido”, tendo assegurado que a intenção é “preservar o mais possível o talento humano” e manter “o maior número de pessoas” entre os atuais funcionários.

De acordo com previsões do Abanca, a integração informática, jurídica e financeira das duas entidades deverá ser realizada “no primeiro trimestre de 2020”.

A entidade bancária espanhola revelou que, através da integração do BCG, o Abanca irá adicionar um volume de negócios de 7.000 milhões de euros e 131.000 clientes.

Paulo Macedo assegurou que as 100 empresas portuguesas com crédito adquirido no BCG e os 300 clientes privados com contas também em Portugal “vão continuar a ser apoiados” a partir de Lisboa, através da sucursal que vai manter em Espanha e ainda através de um acordo comercial que foi assinado entre a CGD e o Abanca.

As duas entidades formalizaram esse acordo de cooperação comercial, o qual define os termos em que irão colaborar em várias áreas de negócio, nos segmentos de empresas e de particulares com atividade no mercado ibérico e nos mercados internacionais onde os dois grupos bancários estão presentes de forma direta.

O processo de venda do BCG iniciou-se em 2017, como parte do Plano Estratégico aprovado no âmbito do processo de recapitalização da CGD, tendo culminado com a seleção em Conselho de Ministros, em novembro de 2018, do Abanca como comprador das ações.

Por outro lado, a CGD informa que a alienação do BCG teve um impacto positivo global de cerca de 110 pontos base no rácio CET 1 consolidado da CGD, sendo que 30 pontos já foram refletidos nas contas consolidadas de junho de 2019.

Esta tarde realiza-se em Vigo, na Galiza, uma assembleia-geral extraordinária de acionistas do BCG para nomear a nova administração do banco, composta por Juan Carlos Escotet Rodríguez, Francisco Botas, Alberto de Francisco, José Luis Vázquez, Luis Beraza, José Luis López e José María Benavent.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paulo Macedo lamenta saída da CGD de Espanha mas considera medida necessária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião