Operadora Nowo/Oni já fechou acordo de aquisição com grupo espanhol MásMóvil

  • Lusa
  • 8 Novembro 2019

A composição acionista da operadora Nowo/Oni depois da operação de aquisição pelos espanhóis da MásMóvil ainda não é conhecida.

A operadora Nowo/Oni já fechou o acordo para ser adquirida pelo grupo espanhol MásMóvil e nomeou uma equipa de gestão que assume os cargos já na próxima segunda-feira, segundo avançou esta sexta-feira à Lusa fonte oficial.

A mesma fonte não quis ainda adiantar a composição acionista da operadora depois da operação, que recebeu ‘luz verde’ da Autoridade da Concorrência (AdC) no passado dia 15 de outubro, segundo foi anunciado pelo regulador no seu ‘site’.

Num comunicado, divulgado esta sexta-feira, o grupo explica que a Nowo/Oni é uma “operadora de telecomunicações participada da Gaea Inversion e gerida pela Inveready, e o grupo MásMóvil”, indicando que estas empresas “acabam de anunciar um importante reforço na sua equipa de gestão com a incorporação de três dos principais ex-diretores responsáveis pelo êxito da operadora de telecomunicações R”.

Em 20 de agosto, a AdC informava que “a operação de concentração projetada consiste na aquisição do controlo conjunto pela MásMóvil Ibercom e Gaea Inversión da Cabonitel e, indiretamente, das filiais direta ou indiretamente detidas por esta, nomeadamente a Nowo e a Onitelecom à Cabolink, uma empresa indiretamente detida por fundos geridos pela KKR”, indicava um anúncio, publicado no site do regulador.

A entidade revelou ainda, nesse dia, que a Gaea, sociedade veículo de direito espanhol detida pelo Grupo Inveready – “que investe, através de fundos e de outras entidades financeiras semelhantes, em diversas empresas, operando em Espanha” – foi “especificamente constituída para a realização da transação”.

Na nota divulgada esta sexta-feira, a operadora anuncia que Miguel Venâncio, até aqui presidente executivo do grupo, assume o cargo de presidente do Conselho de Administração, “mantendo algumas funções executivas, além da representação institucional e de determinados acordos estratégicos”.

Por sua vez, Arturo Dopico, que foi durante 18 anos o presidente executivo da R Galicia, foi nomeado para igual cargo na operadora portuguesa do grupo, enquanto Pablo Iglesias e Paco Rodeiro, “que também fizeram parte do sucesso da R Galicia, assumem os cargos de ‘Chief Financial Officer’ [administrador com o pelouro financeiro] e diretor de planeamento estratégico, controle e desenvolvimento de negócio da Nowo/Oni, respetivamente”, lê-se no comunicado.

Também Carlos Conti, sócio geral da Gaea, foi nomeado para o Conselho de Administração da Nowo/Oni. “A Gaea-Inveready é um acionista histórico do Grupo MásMóvil que agora assume também um compromisso de investimento em Portugal”, adiantou a empresa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Operadora Nowo/Oni já fechou acordo de aquisição com grupo espanhol MásMóvil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião