OCDE propõe taxa mínima para empresas a nível global

  • ECO
  • 8 Novembro 2019

A OCDE está a trabalhar numa proposta global, a pedido do G20, para evitar medidas unilaterais que aumentem as tensões comerciais. Tecnológicas e multinacionais serão principais afetadas.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) defendeu esta sexta-feira que as gigantes tecnológicas e as grandes multinacionais suportem um valor mínimo de tributação, mesmo que tenham conseguido de forma legal e com sucesso proteger os seus lucros em paraísos fiscais, avança o Financial Times (acesso condicionado).

O objetivo da medida é garantir aos países que estas empresas pagam um valor mínimo de tributação pelos rendimentos conseguidos nesses países. A proposta da organização liderada Ángel Gurría é a segunda parte de uma proposta mais alargada sobre coordenação de política fiscal nesta matéria.

No mês passado, a OCDE propôs que os governos abandonem uma prática histórica na tributação de empresas, ao permitir aos Estados que apliquem taxas de imposto a empresas mesmo que estas não tenham presença física nos países onde operam.

Na proposta avançada esta sexta-feira, a OCDE avança com a aplicação de uma tributação mínima que permita cobrar impostos a empresas que tenham conseguido aplicar os seus lucros em territórios classificados como paraísos fiscais.

O Financial Times explica que as duas propostas combinadas eliminam a vantagem que algumas empresas têm ao mudar os seus lucros para outras sedes fiscais para minimizar a fatura fiscal. Uma estratégia habitual junto das empresas tecnológicas. Além disso, os países deixariam de ter incentivos para baixar as suas taxas de imposto.

A primeira proposta daria, por exemplo, a França o direito de tributar a Google na parte das vendas aos anunciantes franceses.

“Uma taxa mínima de imposto em relação a todos os rendimentos reduz o incentivo para que quem paga imposto tente mudar os lucros e estabelece um patamar mínimo de concorrência entre as várias jurisdições”, argumenta a OCDE.

Os países do G20 concordaram em atribuir à OCDE a missão de desenhar um plano detalhado até ao final de 2020, que se for aprovado será incluído nos regimes fiscais a nível nacional, e evitará medidas unilaterais que poderiam agravar as tensões comerciais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OCDE propõe taxa mínima para empresas a nível global

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião