Mutualista Montepio tenta estancar fuga de associados. Paga jóia de 9 euros

Mutualista Montepio lançou campanha para travar fuga de associados. Está a oferecer jóia de admissão no valor nove euros até final do mês. Nos últimos quatro anos instituição perdeu 27 mil sócios.

A Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) lançou uma campanha de captação de novos associados em que está a oferecer a jóia de entrada no valor de nove euros a quem se inscrever na instituição até final do mês, num esforço para tentar estancar a fuga de sócios que se tem acentuado sobretudo nos últimos dois anos.

“Torne-se associado até 30 de novembro e oferecemos-lhe a jóia de admissão”, assinala a mutualista numa campanha que está a ser efetuada através do envio de e-mails dirigidos a ex-associados da instituição e não só. “Por 2€/mês — o valor da quota associativa — beneficie de um leque abrangente de vantagens e descontos junto de parceiros”, destaca ainda na mensagem de correio eletrónico.

O ECO contactou a AMMG no sentido de perceber o contexto desta ação comercial, mas não obteve uma resposta até à publicação do artigo. O plano de ação para este ano já previa a captação de novos clientes sobretudo por via de outros canais que o não o banco, o principal ponto de contacto da mutualista com o mercado.

Esta iniciativa comercial surge num contexto de perda de associados que a mutualista liderada por Tomás Correia tem observado desde 2016. Os associados representam a principal fonte de receita da instituição através das quotizações e subscrições de produtos mutualistas.

Nos últimos quatro anos, a AMMG viu sair quase 27 mil associados em termos líquidos, isto é, já contando com as entradas. Este movimento intensificou-se sobretudo nos últimos dois anos, coincidindo com o período de maior turbulência mediática em torno da vida interna da instituição — com notícias sobre a sua situação financeira delicada, nomeadamente na questão dos capitais próprios negativos que foram colmatados com o crédito fiscal de 800 milhões de euros — e do próprio presidente — que foi alvo este ano de uma multa do Banco de Portugal e que está agora de saída da liderança.

Por outro lado, a própria instituição também tem justificado a perda de associados com o facto de o Banco Montepio estar a vender carteiras de crédito malparado. Nestas operações são alienados contratos de empréstimos em situação de incumprimento a empresas especialistas na recuperação de crédito e o cliente deixa de ser cliente do banco e associado da AMMG.

Saldo entre entradas e saídas de associados

Fonte: AMMG. Dados de 2019 relativos até ao mês de agosto.

No ano passado, a AMMG registou um ritmo de saídas na ordem dos 1.000 associados por mês. Este ano, segundo dados revelados por Eugénio Rosa, antigo dirigente da mutualista, a tendência de fuga de associados mantinha-se nos primeiros oito meses de agosto: até ao final daquele mês a instituição tinha menos 6.600 associados do que tinha no início do ano. A AMMG tinha em agosto 606 mil associados.

Ao nível financeiro, ter menos associados a entrar do que a sair expõe a mutualista a uma situação de maior desequilíbrio. E tem uma consequência direta na margem associativa, que tem sido negativa desde 2015 e tem exigido um maior esforço da AMMG para pagar resgates e reembolsos a quem partiu e com menos dinheiro porque estão a entrar menos associados.

Margem associativa no vermelho há quatro anos

Fonte: AMMG

Em 2018, a mutualista registou uma margem associativa negativa 191 milhões de euros, o que representou até uma melhoria face a 2017: nesse ano, o saldo entre proveitos de associados e custos de associados fixou-se em -373,5 milhões de euros.

Segundo Eugénio Rosa, citando o plano de ação para 2019, previa-se que o número de associados aumentasse para 636.000 no final deste ano, mas o que tem acontecido é o contrário e está cada vez mais longe do sonho de um milhão de associados que Tomás Correia sempre almejou. A margem associativa deveria chegar ao final do ano com saldo positivo no montante de 121,3 milhões de euros, mas foi nula nos oito primeiros meses de 2019.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mutualista Montepio tenta estancar fuga de associados. Paga jóia de 9 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião