Afinal, Tomás Correia pediu para sair da Mutualista Montepio há 18 dias

Tomás Correia entregou a carta de demissão no conselho de administração a 7 de outubro, dizendo que "não tinha condições anímicas" para continuar. Oposição pede eleições antecipadas.

Afinal, Tomás Correia pediu para sair da liderança da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) bem antes desta quinta-feira. O próprio já tinha comunicado ao conselho de administração a intenção de deixar o cargo há algumas semanas. Numa carta datada de 7 de outubro, o gestor transmitiu aos administradores que “não tinha condições anímicas” para continuar. E que, por isso, pretendia abandonar a presidência da mutualista.

Segundos relatos obtidos pelo ECO, foi durante a reunião do conselho geral da instituição, que teve lugar esta quinta-feira à tarde, que essa carta foi lida aos conselheiros. Tomás Correia fez uma intervenção de cerca de dez minutos já depois de terem sido discutidos os dois primeiros pontos da ordem de trabalhos. Apresentou o seu pedido de saída dizendo que estava “cansado” e que já tinha “cumprido a missão” na AMMG. Também se mostrou magoado com falta de apoio do governo, nomeadamente pelo facto de não defender os interesses nacionais, tendo-se queixando dos “muitos inimigos” que atacaram o Montepio.

Os conselheiros aprovaram depois, por unanimidade, a saída de Tomás Correia. Mas há várias semanas que o gestor sabia o seu destino, segundo se pode comprovar pela data da carta que entregou no conselho de administração no início do mês. Isto apesar de o próprio, em reação a notícias do ECO e do Expresso publicadas na semana passada a dar conta que se preparava para anunciar a demissão na reunião do conselho geral, ter garantido que não se ia demitir esta quinta-feira e que não era “condicionável” por ninguém.

Na reunião desta quinta-feira, o conselho geral definiu ainda a data de saída de Tomás Correia. Isto porque, segundo foi explicado aos conselheiros, a Autoridade de Supervisão dos Seguros e Fundos de Pensões (ASF) queria saber qual seria o último dia do gestor à frente da mutualista — o regulador já tinha transmitido a Tomás Correia a informação de que este não reunia as condições para permanecer no cargo, dando tempo para se afastar pelo seu próprio pé.

Por proposta do conselho de administração, acertou-se o dia 15 de dezembro para a saída de Tomás Correia. Mas houve outra proposta em cima da mesa, colocada pelo conselheiro Luís Patrão, o final do mês de novembro, seguindo uma lógica das sociedades comerciais: sair no final do mês a seguir ao pedido de renúncia. Mas só teve cinco votos.

Oposição pede eleições antecipadas

Face à saída de Tomás Correia, os outros dois candidatos que concorreram nas últimas eleições vieram exigir novo ato eleitoral na AMMG. “A marcação de eleições antecipadas o mais cedo possível é a única forma de legitimar o conselho de administração”, referiu António Godinho ao ECO. “A legitimidade desta administração está ferida desde as eleições. Foi uma candidatura muito personalizada em torno de Tomás Correia”, sublinhou ainda.

Fernando Ribeiro Mendes, que fez parte da anterior administração, afirmou ao ECO que espera que Virgílio Lima, o sucessor de Tomás Correia à frente da mutualista, “tenha a capacidade de diálogo para preparar uma revisão dos estatutos de forma tranquila e para desencadear novo processo eleitoral até final do ano e ao longo de 2020 para termos um novo elenco de órgãos que estejam à altura dos desafios da AMMG”. “Não podemos ter órgãos sociais eleitos com base em regras antigas”, disse.

Ambos frisaram a importância da revisão dos estatutos da mutualista. Segundo Ribeiro Mendes, “a atual proposta é muito deficiente e insatisfatória”, tendo sido feita “à luz do passado”.

Na próxima terça-feira há debate marcado para o hotel Plaza, em Lisboa, para a discussão do projeto de revisão parcial dos estatutos, numa iniciativa promovida por vários associados descontentes com a gestão de Tomás Correia, incluindo António Godinho e Ribeiro Mendes. Algumas propostas “visam limitar a democraticidade dos processos de formação e do funcionamento do novo órgão estatutário a eleger, a assembleia de representantes”, queixam-se estes associados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Afinal, Tomás Correia pediu para sair da Mutualista Montepio há 18 dias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião