Tomás Correia chama conselheiros do Montepio com liderança em dúvida

Hoje há reunião com o conselho geral da Mutualista Montepio. Tomás Correia garante que não se demite esta quinta-feira. Isto apesar de a sua liderança estar a ser questionada pelo regulador.

Esta quinta-feira há reunião do conselho geral da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG). Será o último encontro de Tomás Correia com os conselheiros antes da assembleia geral de associados, marcada para 4 de novembro, votar o fim deste órgão consultivo. Aos rumores de que podia ser o momento e o “fórum” para anunciar a saída, antecipando-se a um eventual chumbo do regulador, Tomás Correia já esclareceu que não fará qualquer comunicação desta natureza. Ainda assim, as últimas declarações públicas do gestor deixam em aberto o seu futuro próximo na liderança da instituição.

“Não me condicionam com essa conversa. Dia 24 não saio de certeza absoluta. Podem ficar tranquilos”, respondeu o presidente da AMMG aos jornalistas na semana passada. Isto depois de o ECO e o Expresso terem dado conta de que Tomás Correia poderia anunciar a saída nesta reunião por causa do processo de avaliação de idoneidade em curso na Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF). O regulador já terá transmitido a Tomás Correia que não reúne todas as condições para continuar à frente do Montepio.

Garantindo que não renuncia hoje, Tomás Correia deixou, ainda assim, em aberto a sua saída, até porque a idade começa a pesar. “É óbvio que por razões de idade, numa dada altura, hei-de sair do Montepio, até porque já não tenho condições físicas e até intelectuais, se quiserem pensar assim, para poder continuar a assumir esta responsabilidade”, afirmou. Mas só sairá “quando entender que é o momento, em boa ordem”, assegurou.

Na reunião com os 12 conselheiros vão ser discutidos três temas: o desempenho das empresas do grupo no primeiro semestre do ano; a substituição de um membro do conselho fiscal; e ainda “diversos” assuntos. Será a oportunidade para o conselho geral poder discutir a revisão de estatutos que vai determinar o seu próprio fim.

É óbvio que por razões de idade, numa dada altura, hei-de sair do Montepio, até porque já não tenho condições físicas e até intelectuais, se quiserem pensar assim, para poder continuar a assumir esta responsabilidade.

Tomás Correia

Presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

Oposição quer debater estatutos

A propósito da mudança estatutária, a oposição a Tomás Correia marcou para o final deste mês uma sessão para discutir com os associados o projeto de revisão parcial dos estatutos apresentado há semanas. Entre as personalidades envolvidas nesta iniciativa, que terá lugar no próximo dia 29 de outubro no hotel Plaza, em Lisboa — ou seja, uma semana antes de os associados votarem a proposta de revisão –, estão Fernando Ribeiro Mendes e António Godinho, que concorreram contra Tomás Correia nas últimas eleições.

Este grupo de sete associados critica o facto de não ter havido discussão em torno das alterações em cima da mesa e a circunstância de a proposta de revisão ter sido tornada pública em cima da assembleia geral de associados, “o que limita drasticamente a possibilidade de debate das mesmas”.

“Tal é particularmente grave dada a natureza dos ajustamentos propostos. Alguns deles visam limitar a democraticidade dos processos de formação e do funcionamento do novo órgão estatutário a eleger, a Assembleia de Representantes“, queixam-se estes associados.

Outros querem livrar-se imediatamente do conselho geral atual, (…) salvaguardando, ao mesmo tempo, a continuidade dos mandatos do conselho de administração, conselho fiscal e mesa da assembleia geral, apesar de eleitos em 7 de dezembro com base em regras eleitorais fora da letra e do espírito do novo código das mutualidades”, criticam ainda.

Segundo estes associados, algumas alterações são “muito controversas e potencialmente perigosas, porque excluem os representantes da maioria dos associados do controlo da governação do Montepio nesta fase de crise de confiança agravada”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tomás Correia chama conselheiros do Montepio com liderança em dúvida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião