Salários crescem em Portugal desde 2015, mas continuam abaixo da média comunitária

  • Lusa
  • 8 Novembro 2019

Numa altura em que o Governo e os parceiros sociais discutem o aumento do SMN, Bruxelas dá conta de que os salários em Portugal têm vindo a crescer desde 2015, mas continuam abaixo da UE.

Os salários em Portugal têm vindo a crescer desde 2015, tendo subido 2% no ano passado, mas os aumentos de 2018 ficaram abaixo da zona euro e da média comunitária, segundo dados divulgados esta sexta-feira.

Um relatório anual da Comissão Europeia sobre a evolução do mercado de trabalho revela que as remunerações por funcionário começaram a subir em Portugal desde 2015 (quando registaram um aumento de 0,4%), após estarem a cair até então.

Em 2016, subiram 1,7%, enquanto no ano seguinte subiram 1,6%. Entre 2017 e 2018 verificou-se, assim, um acréscimo em mais quatro pontos percentuais.

O aumento de 2018 em Portugal (de 2%) ficou, contudo, abaixo do verificado ao nível da zona euro e da União Europeia (UE), onde se registaram subidas de, respetivamente, 2,1% e 2,4%.

“Em 2018, o crescimento nominal dos salários foi mais significativo nalguns países da Europa Central e Oriental, o que contribuiu para uma maior convergência salarial”, assinala o executivo comunitário no relatório.

O documento dá também conta de que, apesar do abrandamento económico registado na UE e na zona euro desde o segundo semestre de 2018, motivado pelas tensões comerciais mundiais e pela incerteza relacionada com a saída do Reino Unido da União, isso não tem afetado negativamente o mercado de trabalho.

Até agora, o mercado de trabalho mostrou-se bastante resiliente ao enfraquecimento da economia”, aponta o documento.

Destacando a “boa evolução do mercado de trabalho” e a “recuperação gradual do crescimento salarial”, o relatório precisa que o emprego aumentou 1,3% em 2018 na UE, enquanto os salários cresceram a uma percentagem já perto dos 2,5%.

O documento destaca ainda a constante queda da taxa de desemprego que, em setembro deste ano, “atingiu mínimos” desde 2000, ao fixar-se em 6,3% na UE.

Em comunicado, a comissária europeia para o Emprego, Assuntos Sociais, Habilidades e Mobilidade Laboral, Marianne Thyssen, destaca que “países com altas taxas de desemprego, incluindo Croácia, Grécia, Espanha e Portugal, tiveram um forte crescimento do emprego, diminuindo ainda mais a diferença entre os países”.

E atribui tais mudanças às reformas laborais adotadas pelos países após a crise de 2008.

Marianne Thyssen adianta que o número de pessoas empregadas na UE está “no seu nível mais alto” de sempre, num total de 241 milhões, enquanto a taxa de desemprego comunitário está “no seu nível mais baixo desde a mudança do século”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salários crescem em Portugal desde 2015, mas continuam abaixo da média comunitária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião