Apple faz primeira emissão de dívida verde em euros. Coloca dois mil milhões

  • ECO
  • 9 Novembro 2019

O financiamento irá servir para desenvolver produtos com maior eficiência energética e mais recicláveis, bem como para diminuir as emissões de carbono dos fornecedores com os quais a Apple trabalha.

A Apple realizou pela primeira vez uma emissão de dívida verde em euros. A colocação de dois mil milhões de euros em green bonds entra diretamente para o topo das operações de dívida sustentável na Europa e acontece numa altura de forte procura dos investidores por este tipo de obrigações.

A dona do iPhone colocou dívida a seis anos, em que conseguiu um juro de 0,032%, bem como a 12 anos, com uma yield de 0,565%. As taxas desceram face a anteriores emissões, de acordo com dados citados pelo Financial Times (acesso limitado).

A Apple é um dos maiores emitentes de green bonds nos Estados Unidos. É, no entanto, a primeira vez que emite dívida verde em euros. O financiamento irá servir para desenvolver produtos com maior eficiência energética e mais recicláveis, bem como para diminuir as emissões de carbono dos fornecedores com os quais a Apple trabalha.

Enquanto tecnológica, a Apple “dá maior diversidade ao mercado europeu de green bonds, que tradicionalmente se limita a empresas de energia“, afirmou Agnes Gourc, responsável pela área de finanças sustentáveis do BNP Paribas, ao FT. No caso das obrigações verdes, “qualquer coisa acima de mil milhões tende a ser um negócio muito grande para um emitente empresarial”, acrescentou.

O segmento de green bonds, um instrumento de dívida que permite a empresas e Estados captar investimento para projetos existentes ou novos associados a benefícios ambientais, tem ganho destaque na Europa nos últimos anos. A Euronext, maior grupo europeu gestor de bolsas de valores, tem atualmente 180 emissões de green bonds cotadas, equivalentes a 60 mil milhões de euros e a 30% do total global deste ativo a nível global.

Em Portugal, foi a EDP a estrear este mercado, em outubro de 2018, sendo que já realizou um total de três emissões, em que colocou 2.100 milhões de euros. Há ainda outros dois emitentes no país, mesmo que em menor escala: a Sociedade Bioelétrica do Mondego (subsidiária da Altri) e o grupo hoteleiro Pestana.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apple faz primeira emissão de dívida verde em euros. Coloca dois mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião