Apple tem planos para lançar óculos de realidade virtual e aumentada a partir de 2022

A Apple está a desenvolver uns óculos de realidade virtual (RV) para lançar em 2022 e uns óculos de realidade aumentada (RA) para lançar em 2023.

Produtos relacionados com a realidade virtual (RV) e a realidade aumenta (RA) deverão entrar no catálogo da Apple no início da próxima década. A fabricante do iPhone tem planos para lançar uns óculos de realidade virtual em 2022 e uns óculos de realidade aumentada em 2023, de acordo com informações confidenciais da empresa obtidas pelo The Information (acesso condicionado).

Segundo o The Information, alguns responsáveis de topo da Apple discutiram estas datas numa apresentação interna em outubro deste ano. O jornal refere que a reunião foi suficientemente grande para esgotar o auditório Steve Jobs Theatre, na nova sede da companhia, o que significa que cerca de 1.000 trabalhadores terão marcado presença nesta reunião. O encontro exclusivo para trabalhadores foi liderado pelo vice-presidente da Apple, Mike Rockwell, líder do departamento responsável pelas tecnologias RV e RA.

A notícia vem confirmar vários anos de rumores em torno dos planos da Apple para futuros produtos. Há algum tempo que o mercado aguarda novidades nestas áreas por parte da tecnológica liderada por Tim Cook, entre outras, como, por exemplo, os carros autónomos. Assim, esta é a primeira vez que chegam ao domínio público datas concretas relacionadas com novidades nestas novas áreas.

A empresa tem vindo a incorporar soluções assentes em RA nas câmaras dos iPhones. Por exemplo, uma das mais recentes aplicações do sistema iOS simula uma fita métrica e permite fazer medições, em ambiente virtual, de objetos físicos reais com o iPhone, graças à RA. Isso tem dado força à ideia de que a Apple estará focada nestas tecnologias para um futuro próximo.

O lançamento de óculos de RV e óculos de RA por parte da Apple representaria um marco de grande importância na massificação desta tecnologia, um autêntico boost ao desenvolvimento de soluções nestas áreas. A empresa é conhecida pela atenção que tem aos detalhes, numa altura em que uma das principais críticas aos produtos de RV e RA é o facto de serem muito grandes e, muitas vezes, terem uma aparência tosca.

Algumas empresas têm apostado em lançar óculos mais semelhantes a óculos convencionais, como é o caso da North, que lançou os Focals. Isto depois de os Google Glass, um projeto da Google, terem sido descontinuados devido ao facto de terem uma câmara apontada para a frente, o que causava desconforto nos utilizadores e nas pessoas em redor.

A realidade virtual é uma tecnologia altamente imersiva, com capacidade de transportar os utilizadores para um novo mundo gerado por computador. A realidade aumentada, por sua vez, é a tecnologia que mistura elementos virtuais numa camada por cima da realidade. Esta última, normalmente vista como mais promissora, já permite, por exemplo, usar aplicações móveis suspensas no ar, e poderá revolucionar áreas tão diversas como o jornalismo, a medicina ou a arquitetura.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apple tem planos para lançar óculos de realidade virtual e aumentada a partir de 2022

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião