SIBS “mantém uma relação estreita com as autoridades” sobre burlas no MB Way

  • Lusa
  • 12 Novembro 2019

Segundo a PSP, até maio deste ano foram recebidas 135 queixas de fraude com MB Way. A empresa responsável pela app garante que "mantém uma relação estreita com as autoridades" para prevenir casos.

A SIBS, responsável pelo Multibanco e pela app (aplicação) MB Way, afirmou esta terça-feira que “mantém uma relação estreita com as autoridades” relativamente às burlas ocorridas com recurso àquela app mas não revela dados concretos devido ao segredo de justiça.

As burlas ou fraudes com serviços legítimos e fidedignos, como é o caso do serviço MB Way, são fundamentalmente um problema de segurança pública, pelo que a SIBS mantém uma relação estreita com as autoridades com vista a ajudar a prevenir e/ou a identificar estas atividades“, pode ler-se num comunicado enviado pela SIBS às redações.

A empresa que gere a rede Multibanco adianta ainda que “os dados inerentes à ocorrência destes incidentes estão em segredo de justiça, pelo que não podem ser revelados”.

“Todos os serviços SIBS têm sistemas de monitorização e deteção de fraude contínua e permanente, com vista a reduzir ou a identificar a ocorrência de situações criminosas”, assegura a SIBS.

A empresa esclarece que “os detalhes inerentes a estes métodos de prevenção são obviamente confidenciais, já que a sua divulgação compromete a respetiva segurança”.

No comunicado, a SIBS alerta ainda os utilizadores para que não adicionem “números de telefone de terceiros ou desconhecidos ao serviço” MB Way.

Algumas “recomendações e regras fundamentais” são também recordadas pela SIBS, como “nunca adicionar ou permitir que adicionem à sua conta ou cartão bancário um número de telemóvel que não possui ou desconhece“, um processo que “os bancos não solicitam telefonicamente ou por ‘mail'”.

“Caso seja contactado neste sentido e desconfie da legitimidade do contacto, deverá de imediato entrar em contacto com o seu banco”, alerta a gestora de serviços de pagamentos.

A SIBS salienta que, tal como este processo não acontece com bancos, “nenhuma entidade legítima, como operadoras de comunicação ou de outros serviços, lhe poderá solicitar, telefonicamente ou por ‘mail'”, o mesmo procedimento de adicionar um número de telefone.

“Nunca forneça dados confidenciais ou pessoais como resposta a mensagens de correio eletrónico ou via SMS, mesmo que a origem da solicitação pareça ser legítima”, adverte ainda a empresa, recomendando também que nunca sejam seguidas ligações recebidas por correio eletrónico ou SMS.

A SIBS reforça a importância de verificar “os extratos das contas bancárias regularmente“.

A Polícia de Segurança Pública (PSP) alertou esta terça-feira para um aumento de ocorrências relacionadas com burlas através do MB Way, tendo registado entre janeiro e maio deste ano 135 queixas, e recomenda cuidados no uso desta aplicação.

O alerta da PSP foi publicado na rede social Facebook desta polícia, no qual faz um alerta para o aumento deste tipo de burlas bem como recomendações.

De acordo com os dados avançados pela PSP, em 2018 foram registadas 99 ocorrências relacionadas com burlas através do MB Way e entre 1 de janeiro e 31 de maio 135.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SIBS “mantém uma relação estreita com as autoridades” sobre burlas no MB Way

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião