Empresas chinesas interessadas em fornecer material circulante a Portugal, diz Governo

  • Lusa
  • 13 Novembro 2019

O ministro das Infraestruturas e Habitação adiantou que a renovação do material circulante em Portugal, principalmente nos metros de Lisboa e Porto, está a atrair empresas chinesas.

O investimento na renovação de material circulante, sobretudo nos metros de Lisboa e Porto, está a atrair empresas chinesas, revelou esta quarta-feira o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos.

Num discurso durante a 6.ª Gala da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa, no Casino Estoril, o governante falou dos planos para as áreas que tutela, referindo que, no caso da ferrovia, “o investimento passa necessariamente pela renovação do material circulante”.

Esta é uma oportunidade à qual as empresas chinesas já estão a responder, em particular para os metros de Lisboa e do Porto, e desejamos que assim o possam continuar a fazer”, declarou.

Pedro Nuno Santos disse ainda que “o investimento que Portugal já está a fazer na modernização e na expansão da rede ferroviária nacional tem de representar uma oportunidade para recuperar a sua capacidade industrial de material circulante ferroviário”.

Segundo o governante, o executivo está aberto “à criação de parcerias tecnológicas com empresas chinesas que operem neste setor, atraindo investimento, partilhando conhecimento e honrando os 40 anos de relações diplomáticas” entre os dois países”.

O ministro recordou que o executivo está “a trabalhar numa versão atualizada do documento estruturante das opções de investimento para a próxima década”, o Programa Nacional de Investimentos, que “dará prioridade ao transporte ferroviário”.

Pedro Nuno Santos destacou também que está a decorrer o concurso público internacional para a construção de um novo terminal de contentores no porto de Sines, o terminal Vasco da Gama, num investimento de 650 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas chinesas interessadas em fornecer material circulante a Portugal, diz Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião