Vendas da Sonae sobem 10%. Sem extraordinários, lucros caem

A Sonae lucrou 88 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano. houve uma quebra face ao período homólogo explicada pela ausência de extraordinários.

A Sonae lucrou menos nos primeiros nove meses deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. Os resultados líquidos caíram para 88 milhões de euros, sendo esta evolução explicada pela ausência de efeitos extraordinários da mesma dimensão do que os registados em 2018. Em termos operacionais, o desempenho foi positivo, com as vendas a apresentarem um crescimento de mais de 10%.

“Nos primeiros nove meses deste ano, o resultado líquido total da Sonae ascendeu a 131 milhões de euros, sendo a parte atribuível aos acionistas de 88 milhões de euros“, refere a empresa. Este valor “pressupõe um crescimento expressivo, se excluídos os itens não recorrentes”, nota a empresa liderada por Cláudia Azevedo. No período homólogo, os lucros ascenderam a 105 milhões. Ou seja, houve uma quebra de 16%.

A “Sonae registou no terceiro trimestre deste ano mais-valias relativas à transação da WeDo e a operações de sale & leaseback, contribuindo para o registo positivo de 4 milhões de euros, face a um comparável de 33 milhões nos nove meses de 2018″, valor influenciado pela “mais-valia decorrente da venda de uma participação na Outsystems no segundo trimestre.”

Se os resultados líquidos apresentam uma quebra na comparação com o ano passado, os operacionais registaram uma evolução expressiva. Houve um crescimento de 41,2% do EBITDA no terceiro trimestre, para 206 milhões, e de 20,9% nos nove meses, para 485 milhões de euros, enquanto as receitas aumentaram mais de 10%.

O volume de negócios da Sonae cresceu 8,8% para 1.674 milhões de euros no terceiro trimestre, contribuindo para que nos primeiros nove meses de 2019 o volume de negócios da Sonae tenha atingido 4.635 milhões (+10,2% face ao ano passado), beneficiando principalmente do desempenho da Sonae MC, da Sonae IM e da consolidação das vendas estatutárias da Sonae Sierra”.

"À medida que o final do ano se aproxima, continuaremos todos focados em executar as estratégias definidas para cada negócio, fazendo de 2019 um ano de sucesso para a Sonae e para todos os nossos stakeholders.”

Cláudia Azevedo

CEO da Sonae

A “Sonae manteve um forte desempenho operacional no terceiro trimestre, consolidando assim os resultados positivos atingidos no primeiro semestre do ano”, salientou Cláudia Azevedo, em comunicado enviado à CMVM. O “balanço da Sonae continua sólido com a dívida líquida a diminuir 20 milhões em termos homólogos, 113 milhões numa base comparável, outra clara demonstração da capacidade de geração de cash flow dos nossos ativos subjacentes”, acrescentou.

“À medida que o final do ano se aproxima, continuaremos todos focados em executar as estratégias definidas para cada negócio, fazendo de 2019 um ano de sucesso para a Sonae e para todos os nossos stakeholders”, rematou a CEO da Sonae.

(Notícia atualizada às 19h10 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas da Sonae sobem 10%. Sem extraordinários, lucros caem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião