Altice tem “várias” propostas para a rede de fibra ótica da Meo. Venda está “em fase avançada”

A Altice não tem pressa para vender a fibra, porque o ativo está "a valorizar de trimestre para trimestre". Há "várias" ofertas em cima da mesa e a venda vai mesmo avançar em breve.

A Altice está a analisar “várias” propostas de investidores interessados em adquirir a rede de fibra ótica da Meo, revelou o fundador do grupo numa conferência telefónica com analistas esta quarta-feira. O processo encontra-se numa “fase avançada”, mas a empresa não tem pressa porque o ativo está a valorizar de mês para mês.

“Temos observado um crescimento no interesse pela fibra em Portugal a cada trimestre que esperamos, baseado no facto de as pessoas estarem a perceber que toda a gente está a migrar para a fibra. O valor sobe de mês para mês”, reconheceu Patrick Drahi, fundador da Altice.

“Temos optado por esperar”, frisou, lembrando que é um negócio apetecível para “investidores de longo prazo”. Contudo, o gestor não deu detalhes sobre a avaliação que os investidores estão a fazer do ativo. A Altice Europe, em junho, queria, segundo a Bloomberg, um valor em torno dos 5.000 milhões de euros.

O magnata sublinhou ainda que a Altice Europe está na fase de “analisar, discutir e subir” o valor do negócio e não quer apressar as coisas. Recorde-se que a venda da rede fibra foi avançada em fevereiro deste ano.

Questionado sobre quando deverá ser fechada a operação, Patrick Drahi disse: “O tempo está do nosso lado. Não podemos dizer quando vamos fechar. Não podemos dizer se é nas próximas semanas ou no próximo trimestre, mas é claramente algo que se vai realizar.”

Estas novidades surgem no dia em que a Altice Europe publicou os resultados do terceiro trimestre, período em que a empresa registou um EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) de 1,407 mil milhões de euros, mais 8,2% do que no trimestre homólogo. As receitas totais fixaram-se em 3,666 mil milhões de euros, uma melhoria de 6,3% face aos mesmos três meses de 2018.

No mercado português, o EBITDA da Altice Portugal estabilizou em 216 milhões em termos homólogos, com a dona da Meo a registar um crescimento das receitas de 2,1%, para 536 milhões de euros.

(Notícia atualizada pela última vez às 18h20)

Correção: Uma versão anterior referia que a Altice teria “sete” propostas pela fibra da Meo e que a informação tinha sido dada por Alain Weill, CEO da Altice Europe. Na verdade, foi Patrick Drahi quem estava a falar e o gestor disse “várias” em vez de “sete”. O lapso deveu-se à confusão entre a palavra inglesa several e seven na escuta da chamada telefónica. Aos visados, as nossas desculpas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice tem “várias” propostas para a rede de fibra ótica da Meo. Venda está “em fase avançada”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião