Reserva Federal prevê taxas de juro inalteradas se crescimento se mantiver

  • Lusa
  • 13 Novembro 2019

As previsões da Reserva Federal norte-americana apontam para um crescimento económico moderado, um mercado laboral forte e uma inflação próxima do objetivo de 2%.

O líder do banco central norte-americano indicou esta quarta-feira que a Reserva Federal (Fed) prevê fazer uma pausa nas suas intervenções sobre as taxas de juro enquanto o crescimento económico se mantiver.

“A atual posição na política monetária permanecerá apropriada enquanto a informação que nos chegue sobre a economia se mantiver em linha com as nossas perspetivas de um crescimento económico moderado, de um mercado laboral forte e de uma inflação próxima do nosso objetivo de 2%”, disse Jerome Powell, numa declaração no Congresso, mostrando-se otimista quanto à evolução da economia norte-americana, apesar dos riscos de um abrandamento global e da “persistente” tensão comercial.

Powell manifestou, no entanto, preocupação com a dívida federal, que “está a um nível elevado e continua a crescer”, o que pode a longo prazo afetar o investimento privado e o crescimento.

A Fed anunciou no passado dia 30 a terceira descida das taxas de juro deste ano e Powell já tinha assinalado na altura que haverá uma pausa enquanto não se registarem alterações fundamentais nas previsões do banco central. A taxa dos fundos federais situa-se atualmente no intervalo entre 1,50% e 1,75%.

Os últimos dados relativos ao crescimento indicam que este terá avançado no terceiro trimestre a um ritmo de 1,9%, depois dos 2% registados nos três meses anteriores.

Powell afirmou que esse abrandamento se deve em parte à longa greve na General Motors, mas também a uma descida do investimento relacionada com a incerteza criada pela guerra comercial desencadeada pela atual administração norte-americana. A próxima reunião de política monetária da Fed está prevista para 10 e 11 de dezembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reserva Federal prevê taxas de juro inalteradas se crescimento se mantiver

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião