Google Assistant já fala em português de Portugal, mas não em todos os dispositivos.

O assistente virtual da Google já fala em português de Portugal, ainda que de forma limitada. Nas definições de alguns aparelhos, contudo, o idioma ainda surge como "PT-BR" e não "PT-PT".

Alguns utilizadores do assistente virtual da Google já podem definir a tecnologia para responder em português de Portugal, um passo importante para desbloquear o potencial desta funcionalidade no país.

Fonte oficial da Google confirmou ao ECO que “estão a decorrer testes”, mas não deu mais detalhes. Tudo aponta para que a empresa ainda esteja a alinhavar os últimos detalhes desta novidade, antes de a anunciar oficialmente.

Nas últimas semanas, nas redes sociais, alguns utilizadores que já usavam o Google Assistant em português do Brasil repararam no novo sotaque do assistente, apesar de, nas definições de alguns aparelhos, a linguagem ainda aparecer identificada como “PT-BR“. Noutros dispositivos, contudo, já surge a indicação de “PT-PT”.

Os testes feitos pelo ECO mostram que a pronúncia do Google Assistant em PT-BR já tem o sotaque de Portugal, ainda que de forma limitada. Ao dizer “Ok, Google. Bom dia”, o assistente responde “Confira estas imagens”, mostrando, de seguida, uma pesquisa no motor de busca por imagens relacionadas com “bom dia”.

Além disso, a voz do Google Assistant em PT-PT é feminina. Noutros idiomas, é possível escolher entre várias vozes com nomes de cores, algumas delas neutras do ponto de vista de género. Isto é, que não permitem apurar se são masculinas ou femininas.

Para experimentar, aceda à aplicação Google no seu smartphone, aceda à aba “Mais” e siga este caminho: “Definições” -> “Google Assistant” -> “Assistant” -> “Idiomas” e escolha PT-BR (ou PT-PT, se o seu dispositivo já tiver essa opção).

Os assistentes virtuais têm feito furor noutros mercados, como Reino Unido e EUA. A Amazon foi pioneira com a gama de produtos Echo e a assistente Alexa, que permite marcar apontamentos no calendário do telemóvel ou ligar as luzes de casa com recurso à voz. Não há dados sobre a penetração destes aparelhos em Portugal, mas há quem já use estes aparelhos nos telemóveis e em casa, ainda que em PT-BR ou em inglês.

A Alexa, a Siri do iPhone e a Cortana do Windows ainda não falam português de Portugal. Por isso, há vários anos que os portugueses aguardam novidades nesta vertente. O lançamento do idioma PT-PT em Portugal poderá ainda dar um impulso ao comércio eletrónico, uma vez que a maioria destes assistentes permite encomendar produtos com recurso a comandos de voz.

(Notícia atualizada às 15h50 com reação da Google)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google Assistant já fala em português de Portugal, mas não em todos os dispositivos.

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião