Trabalhadores da Google ouvem conversas dos utilizadores

A Google admitiu que alguns trabalhadores são capazes de ouvir conversas gravadas pelo Google Assistant, o assistente virtual da marca. Algumas são registadas por engano.

Alguns trabalhadores da Google ouvem conversas dos utilizadores para melhorar o algoritmo de reconhecimento de voz, admitiu a empresa.Google

Há trabalhadores da Google que andam a ouvir conversas privados dos utilizadores. A falha de segurança foi admitida pela multinacional norte-americana que confirmou que alguns dos seus empregados conseguem ouvir conversas dos utilizadores gravadas pelo assistente virtual Google Assistant. De acordo com a Google, existe uma componente humana no aperfeiçoamento do algoritmo, que executa tarefas através de comandos de voz, depois de um canal de TV belga ter obtido mais de 1.000 gravações privadas, algumas gravadas acidentalmente pela empresa.

O canal VRT obteve estes trechos de áudio que, na esmagadora maioria, são gravações dos pedidos feitos pelos utilizadores a partir do momento em que dizem a expressão “Ok, Google”. No entanto, o canal descobriu que, entre as 1.000 gravações obtidas, estavam também 153 gravações feitas acidentalmente pelo sistema. As gravações contêm conversas privadas dos utilizadores e, em alguns casos, incluem dados pessoais que permitem a identificação dos mesmos, como nomes próprios.

A Google já tinha admitido, em 2017, que um erro técnico permitia o Google Home Mini começar a gravar mesmo sem ter sido invocado pelo utilizador, através da expressão “Ok, Google”. Porém, segundo o The Guardian, as novas revelações forçaram a empresa a admitir que alguns trabalhadores são capazes de ouvir estas gravações para recolherem dados que permitem melhorar o algoritmo de reconhecimento de voz.

De acordo com a empresa, só 0,2% das gravações são acedidas pelos trabalhadores. A Google informou também que iniciou uma investigação interna para averiguar em que circunstâncias as gravações privadas de utilizadores do Google Assistant acabaram na redação do canal VRT.

Este caso levanta novas questões sobre a privacidade dos utilizadores que aderem à nova tendência tecnológica dos assistentes virtuais. Isto depois de, no ano passado, a imprensa internacional ter revelado que trabalhadores da Amazon também são capazes de ouvir as gravações feitas pela Alexa, a assistente virtual da empresa, que é uma das mais populares e está já presente em milhões de lares em todo o mundo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores da Google ouvem conversas dos utilizadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião