Eleições a bastonário da OA. Advocatus já está nas bancas

No final do mês será eleito o 27.º bastonário da OA. Entre as propostas dos seis candidatos está a promessa de uma nova Ordem. Conheça os candidatos para liderar os 32 mil advogados do País.

As eleições para escolher o novo bastonário da Ordem dos Advogados (OA) estão aí à porta e existem seis candidatos na corrida pela liderança. Ana Luísa Lourenço, António Jaime Martins, Guilherme Figueiredo, Isabel da Silva Mendes, Luís Menezes Leitão e Varela de Matos são os candidatos.

A Advocatus questionou os seis candidatos sobre o motivo da candidatura, o que melhorariam na justiça e ainda sobre o futuro da advocacia. Conheça os candidatos e as suas visões e descubra o que o futuro reserva para os 32 mil advogados do país.

capa advocatus 110

Num mundo cada vez mais digital, nem as moedas ficam de fora. As criptomoedas são uma das formas de realizar transações financeiras em crescimento por todo o mundo. Mas o que acontece às moedas digitais quando o seu detentor morre? A moeda digital foi uma das inovações tecnológicas que surgiram com o novo milénio e a sua realidade ainda não é bem compreendida por todos. As criptomoedas são um dos tipos de moedas digitais e são utilizadas numa rede descentralizada, com o intuito de realizar transações financeiras. Apesar de não serem moedas materiais, possuem várias caraterísticas em comum com o dinheiro tradicional, pois são usadas como reserva de valor ou meio de troca.

Todos os anos cerca de milhares de alunos terminam a licenciatura em direito e tentam a sua sorte no mercado de trabalho. Muitas horas, dias e semanas são despendidas entre o envio de currículos, as entrevistas e até os open days até encontrarem uma sociedade em decida apostar neles. A Advocatus questionou cinco sociedades de advogados sobre o tipo de recrutamento que pugnam, como retêm os novos talentos e a forma como acompanham os estagiários durante o seu percurso.

Francisco Proença de Carvalho, sócio do departamento de contencioso, penal e arbitragem da Uría Menéndez – Proença de Carvalho, é o advogado do mês da edição de outubro/novembro da Advocatus. Com quase uma década ao serviço da sociedade ibérica, o advogado de Ricardo Salgado e coordenador do Rock ‘n’ Law esteve ainda nos casos BCP, BPP, CTT, no caso das Secretas e defendeu o economista canadiano Peter Boone num caso de manipulação da dívida pública portuguesa. Recentemente premiado pela Iberian Lawyer, como um dos melhores advogados de Portugal e Espanha com menos de 40 anos, revelou os detalhes da próxima edição do Rock ‘n’ Law, que é já dia 22, no Kais, em Lisboa.

Francisco Proença de CarvalhoHenrique Casinhas 14 outubro 2019

 

A revista Advocatus de outubro/novembro já está à venda nos locais habituais. Pode também assinar a revista aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eleições a bastonário da OA. Advocatus já está nas bancas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião