Alemanha escapa a recessão no terceiro trimestre

A economia alemã contrariou as estimativas e cresceu 0,1% no terceiro trimestre do ano, escapando ao cenário de recessão técnica. Mas o PIB foi revisto em baixa no segundo trimestre.

A economia alemã cresceu 0,1% no terceiro trimestre do ano, contrariando as estimativas dos analistas e evitando o cenário de recessão técnica, de acordo com os dados divulgados esta quinta-feira pelo instituto de estatística alemã, o Destatis. No entanto, a contração de 0,1% no segundo trimestre foi revista para 0,2%, anulando a melhoria conseguida entre julho e setembro.

Na primeira estimativa para a evolução do PIB alemão no terceiro trimestre do ano, o Destatis explica que a economia cresceu sobretudo devido a um aumento do consumo, tanto privado como público. As exportações também registaram uma melhoria, com as importações a manterem-se no mesmo nível.

O investimento em construção também aumentou, mas os ganhos foram eliminados por uma queda no investimento fixo em maquinaria e equipamento.

Evolução trimestral da economia alemã

As estimativas apontavam para que a economia alemã voltasse a apresentar uma contração no terceiro trimestre deste ano, na ordem dos 0,1%, tal como tinha acontecido no segundo trimestre do ano. Este cenário confirmaria um cenário de recessão técnica, apesar de se continuar a prever um crescimento no total do ano.

Este crescimento afasta esse cenário, mas os ganhos em termos acumulados são praticamente anulados pela revisão em baixa que foi feita no PIB do segundo trimestre, em que a economia alemã terá afinal encolhido o dobro, 0,2%.

Em comparação com o mesmo trimestre do ano passado, a economia alemã terá crescido 1%. Boa parte deste crescimento deve-se a um efeito de calendário, já que o terceiro trimestre do ano passado teve menos um dia útil que o período entre julho e setembro deste ano. Nas contas do instituto de estatística alemã, ajustando também este efeito de calendário (assim como o efeito de preço), o crescimento em termos homólogos cai para 0,5%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alemanha escapa a recessão no terceiro trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião