Mais de duas toneladas de plástico recolhidas das praias durante o verão. É o dobro do ano passado

  • Lusa
  • 15 Novembro 2019

Mais de duas toneladas de plástico foram recolhidas em praias de todo o país durante o verão. Foram recolhidos 2,6 toneladas de plástico, o dobro do registado no verão passado.

Mais de duas toneladas de plástico foram recolhidas em praias de todo o país durante o verão no âmbito do projeto TransforMAR, que visa a sensibilização, a reutilização, reciclagem e redução do desperdício.

De acordo com os resultados finais enviados esta sexta-feira à Lusa, durante o projeto Transformar, que já vai na segunda edição, foram recolhidas 180 mil unidades, que correspondem a 2,6 toneladas de plástico, o dobro do registado no verão anterior (1,5 toneladas em praia).

Em praia, a recolha representou 1,7 toneladas de plástico, equivalentes a 89 mil unidades deste material, segundo os dados.

O projeto arrancou no ano passado com o objetivo de sensibilizar a sociedade para a importância da economia circular através da recuperação, reutilização, reciclagem e redução do desperdício de materiais plásticos.

A iniciativa foi realizada em 15 praias de norte a sul do país e, segundo as entidades envolvidas no projeto, “o impacto social positivo (…) levou a que algumas praias – como Leça da Palmeira, distrito do Porto, e Armação de Pera, distrito de Faro – prosseguissem com a recolha, mesmo sem a presença do contentor do TransforMAR em praia”.

Esta iniciativa é desenvolvida pelo Lidl Portugal, o Electrão, a Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), a Quercus e a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) – com o apoio institucional do Ministério do Ambiente e da Associação ambientalista Zero.

A ideia é depois transformar o plástico recolhido num benefício direto para a comunidade, como mobiliário urbano, evitando que o destino final seja o mar.

(Notícia corrigida com a alteração da quantidade total de plástico recolhido nas praias)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de duas toneladas de plástico recolhidas das praias durante o verão. É o dobro do ano passado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião