Secretária de Estado do Turismo portuguesa diz que CPLP estuda via verde de vistos para turistas

  • Lusa
  • 15 Novembro 2019

A secretária de Estado do Turismo portuguesa diz que se está a trabalhar no sentido de ter "corredores de via verde dentro da CPLP”.

A secretária de Estado do Turismo portuguesa, Rita Marques, assumiu esta sexta-feira a possibilidade de instituição na CPLP de uma “via verde” de vistos para que turistas possam viajar entre países de forma facilitada.

A posição foi assumida pela governante de Portugal, em declarações à agência Lusa, à margem da X Reunião de ministros do Turismo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorreu esta sexta-feira na cidade de São Filipe, na ilha cabo-verdiana do Fogo.

Segundo Rita Marques, esta possibilidade foi um dos assuntos abordados na reunião desta sexta-feira e visa garantir a promoção conjunta do território da CPLP, embora implique ainda “muita conjugação de esforços”, desde logo ao nível das diplomacias dos nove Estados-membros.

“Mas estamos a trabalhar no sentido de ter estes corredores de via verde dentro da CPLP”, afirmou. A secretária de Estado garantiu que Portugal está aberto aquela possibilidade, numa lógica de “complementaridade” de destinos turísticos.

“Para favorecimento de rotas aéreas entre países da CPLP que propiciem que os turistas possam entrar por exemplo num dos países da CPLP, Portugal é um exemplo, e possam depois viajar nestas geografias, com via verde ao nível de vistos, e possam desfrutar da experiência da CPLP de uma forma mais ágil, mais rápida”, acrescentou Rita Marques.

A governante portuguesa salientou ainda que, do ponto de vista de Portugal, o mercado da CPLP enquanto emissor de turistas deve também ser considerado, apontando como exemplo o caso do Brasil, que já é um dos três países emissores de turistas para Portugal que mais cresce. “A CPLP não é um mercado a desperdiçar”, disse.

Integram a CPLP Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Portugal, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Dentro da CPLP, na área do turismo, facilitar a emissão de vistos para estudantes do ramo da hotelaria e restauração oriundos de outros Estados-membros é também uma prioridade para Portugal, tendo em conta a falta de mão-de-obra que o país enfrenta.

“Nós seremos sempre países irmãos [CPLP], independente do contexto económico. Neste caso particular, no turismo, naturalmente que nós temos sempre uma predisposição para receber talento que vem destes países, que nos permite mitigar também a falta de mão-de-obra que temos atualmente em Portugal”, salientou Rita Marques.

Nesse sentido, a governante apontou Cabo Verde como um dos principais emissores, dentro da CPLP, de estudantes que se formam em Portugal, nesta área. “Uns ficam, outros acabam por regressar aos seus países”, admitiu, sublinhando a lógica de intercâmbio destes programas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Secretária de Estado do Turismo portuguesa diz que CPLP estuda via verde de vistos para turistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião