Jak Shoes escolhe Baixa do Porto para inaugurar a primeira loja física. Lisboa é a próxima cidade

A Jak Shoes, marca de calçado 100% portuguesa, abriu a primeira loja física na Rua Santa Catarina, no Porto. O objetivo da marca é conceber calçado com alta durabilidade, assente no mote slow fashion.

A Jak Shoes é uma marca de calçado 100% portuguesa, fundada em 2014, que nasceu da iniciativa de dois jovens empreendedores, Isabel Henriques da Silva e José Reffoios. A marca assenta no conceito de slow fashion, onde o objetivo primordial é conceber calçado de alta qualidade com bastante durabilidade.

Tendo em conta o crescimento registado, a empresa abriu, no início de novembro, a primeira loja física. A Baixa do Porto foi o lugar escolhido, mais concretamente a Rua de Santa Catarina. “Nos últimos três anos, as vendas da Jak Shoes multiplicaram-se por dez”, explica ao ECO o cofundador da Jak Shoes, José Reffoios.

“O desafio passava por replicar o mesmo nível de experiência e de serviço nas lojas físicas, onde ambicionamos continuar a conquistar o excelente feedback e taxa de aprovação dos nossos clientes”, refere José Reffoios.

Os sapatos são produzidos no norte do país e na conceção é usado principalmente couro de grão integral, que é a parte mais valorizada do couro e a que tem mais alta qualidade. Com foco numa produção mais sustentável aliada à qualidade dos materiais e ao fabrico artesanal, a marca aposta em lançar modelo a modelo.

25% das vendas da empresa são a nível nacional, uma vez que os principais clientes são a Europa (principalmente o mercado britânico, Alemanha, França, Dinamarca) e os EUA, que ocupa a segunda posição.

José Reffoios revelou ao ECO que no próximo ano pretende abrir uma loja em Lisboa. Num futuro muito próximo o objetivo passa por internacionalizar e abrir uma loja física nos Estados Unidos, uma vez que já têm um armazém e já estão num processo de deslocalização. “Temos o objetivo de abrir em maio do próximo ano mais duas lojas, uma em Lisboa e uma segunda fora de Portugal”, destaca o cofundador.

Para o cofundador da Jak Shoes, os principais clientes são os britânicos e os americanos. José Reffoios destaca que se não fosse a questão do Brexit, abrir uma loja na Reino Unido seria a principal opção. “O Reino Unido é a localização primordial, mas sem sabermos qual é a acordo comercial que vai entrar em vigor é muito difícil prever o que conseguimos lá fazer, se vamos estar sujeitos as taxas alfandegárias ou não”, conclui.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jak Shoes escolhe Baixa do Porto para inaugurar a primeira loja física. Lisboa é a próxima cidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião