Voltalia vai contratar 40 novos colaboradores maioritariamente para o Porto

A multinacional francesa está a contratar até ao final do ano 40 colaboradores para as áreas de engenharia, energias renováveis, marketing e comunicação e serviços financeiros.

A Voltalia, multinacional francesa do setor de energia renovável, está a recrutar 40 novos colaboradores, até ao final do ano, para Oliveira de Frades e maioritariamente para a cidade do Porto.

As vagas são maioritariamente para o centro tecnológico no Porto e as posições em aberto são essencialmente para a área de engenharia civil, engenharia eletrotécnica, engenharia do ambiente e energias renováveis. Existe também algumas vagas na área de marketing e comunicação e serviços financeiros. O recrutamento já está em aberto e os interessados podem candidatar-se através do site da empresa.

A Voltalia está em Portugal desde 2016, numa fase inicial instalou-se em Oliveira de Frades e desde maio deste ano expandiu para a cidade do Porto por uma questão de posicionamento estratégico. “Começámos o ano com 140 colaboradores e antecipamos acabar com cerca de 200. Esta fase de crescimento deve-se aos projetos que temos previstos para Portugal e ao crescimento nesta geografia”, explica ao ECO o responsável de marketing e comunicação do Grupo Voltalia, José Carlos Amador.

“Portugal representa para o Grupo Voltalia a base de suporte de toda a atividade do grupo na área do solar. A empresa decidiu instalar em Portugal o centro mundial de competências do solar – Solar Hub, daqui é dado todo o suporte de engenharia, gestão de projeto, monitorização, supervisão e controlo dos ativos solares espalhados pelos quatro continentes e mais de 20 países”, refere José Carlos Amador.

O grupo Voltalia conta com cerca de 700 funcionários e está presente em mais de 20 países. A empresa produz e comercializa eletricidade gerada por energia eólica, solar, hidroelétrica e de biomassa, possuindo capacidade solar total instalada ou em construção de um GW.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Voltalia vai contratar 40 novos colaboradores maioritariamente para o Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião