Custo da nova dívida pública em novo mínimo histórico de 1,1%

  • Lusa
  • 20 Novembro 2019

O custo médio da dívida emitida por Portugal situou-se em 1,1% até outubro, abaixo dos 1,2% registados até setembro, o que corresponde a um novo mínimo histórico.

O custo da dívida emitida por Portugal entre janeiro e outubro fixou-se em 1,1%, um novo mínimo histórico, de acordo com o boletim mensal do IGCP – Agência de Gestão de Tesouraria e da Dívida Pública.

Segundo dados divulgados pela entidade liderada por Cristina Casalinho, o custo médio da dívida emitida por Portugal situou-se em 1,1% até outubro, abaixo dos 1,2% registados até setembro, o que corresponde a um novo mínimo histórico desde, pelo menos, 2010, quando começam os registos do IGCP.

O custo da dívida pública emitida por Portugal tem vindo a descer desde 2011, quando o país pediu assistência financeira internacional. Naquele ano, o custo que Portugal pagou por emitir nova dívida atingiu o máximo histórico de 5,8%.

Já entre 2017 e 2018, o custo da dívida pública portuguesa emitida passou de 2,6% para 1,8%.

O boletim hoje divulgado indica também que o saldo da dívida direta do Estado ascendeu a 246,7 mil milhões de euros no final de outubro, uma descida de 0,1% face ao mês anterior.

O IGCP explica que esta variação no stock da dívida direta do Estado deveu-se “essencialmente, ao pagamento antecipado do empréstimo do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF), num montante de dois mil milhões de euros”, que foi executado em 17 de outubro.

A entidade indica também que, “adicionalmente, verificou-se a amortização do BND NOK OUT2019, no montante de 86 milhões de euros”.

E o IGCP refere ainda que, por outro lado, se registou um aumento do saldo de Bilhetes do Tesouro (BT), “explicado pela realização de dois leilões, nos montantes de 350 milhões de euros (na linha a três meses BT 17JAN2020) e 904 milhões de euros (na linha a 11 meses BT 18SET2020)”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Custo da nova dívida pública em novo mínimo histórico de 1,1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião